Grito dos Excluídos espera reunir 5 mil pessoas em Manaus

Edição de 2011 da manifestação, realizada há 17 anos pela Igreja Católica, irá percorrer um trecho da Av. Constantino Nery, com concentração às 15h em frente à loja Stock Casa.

Para coincidir com a Semana da Pátria, há 17 anos a Igreja Católica realiza o ‘Grito dos Excluídos e Excluídas’, através do setor da Pastoral Social da CNBB, Comissão Pastoral da Terra, Cáritas, Ibrades e movimentos e instituições sociais de diversos segmentos. Este ano, o ‘Grito’ irá percorrer um trecho da Av. Constantino Nery, com concentração às 15h desta quarta-feira, 7 de setembro, em frente à loja Stock Casa.

A coordenação do Grito estima que pelo menos cinco mil pessoas deverão participar da manifestação, que, nesta edição terá o tema ‘Pela Vida Grita a Terra… Por Direitos Todos Nós!’, que coloca em discussão as políticas de utilização da terra, além de propor uma reflexão também sobre a distribuição de renda para os trabalhadores e a ‘herança’ que fica para as cidades envolvidas na Copa de 2014. Em todo o País, estima-se que mais de 150 mil pessoas deverão ir às ruas.

“Nós também vamos manifestar nossa reprovação à construção do Porto das Lajes. Não pelo porto em si, mas pelo local escolhido (que será construído próximo ao Encontro das Águas, do Rio Solimões e Rio Negro)”, explica a coordenadora da Comissão Pastoral, Irmã Guadalupe Peres.

Segundo Guadalupe, o Grito perdeu um pouco de sua força nos últimos anos pela desistência de algumas pessoas que “antes eram oposição e agora são situação e esquecem dos problemas do povo”, disse. Ainda de acordo com a Irmã, uma carta será escrita do ‘Grito’ e deverá ser entregue aos governos municipal e estadual. “A gente incomoda bastante, isso sabemos. Então eles nos ouvem e amenizam a situação“, disse.

Trajeto

O ‘Grito dos Excluídos’ terá pouco mais de 5km e utilizará apenas a Av. Constantino Nery no sentido Centro/Bairro, deixando o tráfego livre no sentido Bairro/Centro. Segundo a organização, foi enviado ofício ao ManausTrans e à Polícia Militar (PM), para ceder agentes de trânsito e soldados para auxiliar durante o evento, respectivamente.

A reportagem tentou contato com o ManausTrans para saber quais ruas serão interditadas para que não haja fluxo de veículos no sentido utilizado pelos manifestantes, mas não conseguiu sucesso através dos telefones da assessoria. A PM também informou que irá realizar segurança com viaturas e motocicletas, mas não soube informar o número do efetivo de policiais que será utilizado.

 

Anúncio