Jucimar Veloso, o Papi, é eleito o novo prefeito de Tefé

Jucimar Veloso obteve 49,3% dos votos válidos, percentual que garantiu 557 votos a mais que o 2º colocado.

Manaus – Jucimar Veloso (PMDB), o  ‘Papi’, venceu neste domingoas eleições suplementares no município de Tefé (a 523 quilômetros a oeste de Manaus). A diferença  para o segundo colocado,  Wiseman Celani (PR), apoiado pelo ex-prefeito Sidônio Gonçalves, foi de apenas 557 votos.

Papi teve 49,32% (11.782) do votos válidos, contra 46,98% de Wiseman Celani, e 1.52 % de  Abel Alves (PSOL), o atual prefeito do município.  A apuração do Tribunal Regional Eleitoral no Amazonas (TRE-AM) terminou por volta das 19h20, com um pequeno atraso em relação ao horário previsto. Três urnas tiveram problemas técnicos e foram substituída, informou a comissão técnica do tribunal.

A coligação de Papi,  ‘Vamos com fé pra Tefé melhorar’, agregou os partidos PSDC, PMN, PTC, DEM, PCdoB, PTB, PDT, PSL e PMDB. A chapa de  Wiseman Celani, ‘Coligação do Bem’, foi composta pelo PR, PSC, PSB, PV, PSDB, PTB, PTN, PTdoB e o PHS.

O TRE-AM  registrou  40 denúncias das 6h às 18h de ontem, a maioria referente ao transporte ilegal de eleitores. O coordenador da fiscalização eleitoral da Polícia Federal (PF), Roberto Câmara, informou que a Polícia Militar (PM) interceptou uma embarcação que transportava gratuitamente 25 passageiros das comunidades rurais de Cairara, Igarapé- Açú e Barreirinha  para a sede de Tefé.

O proprietário da embarcação afirmou, em depoimento, à PM que o ex-prefeito Sidônio Gonçalves disse aos moradores  que ia pagar pelo transporte. Depois de tomar depoimentos dos eleitores, a  juíza eleitoral Susi Araújo determinou que a PF liberasse a embarcação.

Por volta das 15h  Sidônio Trindade  pediu proteção à Polícia Civil, sob a alegação que teria sofrido ameaças de agressão física pelos partidários de Papi  e recebeu escolta policial até o fim da apuração. A chegada de Sidônio na delegacia local causou tumulto, e o prédio foi cercado por mototaxistas.

As eleições suplementares tiveram tropas federais para reforçar a segurança, a pedido do Ministério Público Federal. O procurador Regional Eleitoral, Edmilson Barreiros, alegou que o município tem histórico de conflitos em períodos eleitorais, e o efetivo da Polícia Militar (PM) da cidade não é suficiente para manter a ordem durante o pleito.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, consultou o governador do Amazonas, Omar Aziz (PMN), sobre a necessidade da envio de força federal para Tefé, e ele se manifestou favorável.

Cassação

Há dois meses o TSE decidiu  manter a cassação do prefeito eleito em 2008 no município de Tefé, Sidônio Gonçalves. A perda do mandato foi determinada  inicialmente pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), que autorizou a realização de eleições suplementares em Tefé.
Sidônio foi cassado porque o TRE entendeu que ele estava exercendo o quarto mandato consecutivo. 

Prefeito de Alvarães nas gestões 1996-2000 e 2000-2004, ele  se afastou do cargo no final do segundo mandato, para concorrer à prefeitura do município vizinho de Tefé, onde foi eleito em 2004 e reeleito na eleição seguinte (2008).

O município de Tefé tem o quinto maior eleitorado do Amazonas, com 33.644 pessoas aptas a votar. O prefeito eleito é irmão do deputado federal Lupércio Ramos (PMDB).