Manaus recebe cerca de 4 mil novos migrantes por ano, segundo IBGE

Atualmente, eles somam 30% (563 mil) da população da capital amazonense, de 1.861,835 pessoas. Do interior do Amazonas são 287.078 pessoas

Manaus – Manaus ainda é um atrativo  para muitas pessoas de outros Estados do País e do interior. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 2010 a cidade recebe em torno de 4 mil migrantes por ano. Hoje, eles somam 30% (563 mil) da população da capital amazonense, de 1.861,835 pessoas.

“A participação da composição dos migrantes de outros Estados na população de Manaus é de 15,31%, ou seja, 275.930l”, disse o chefe de disseminação do IBGE/AM, Adjalma Nogueira Jaques.

Do interior do Amazonas são 287.078 pessoas, segundo dados do IBGE. De acordo com Adjalma, os migrantes que chegam a Manaus vêm com o objetivo de aqui se estabelecer. “Tanto os migrantes de outros Estados quanto do interior do Amazonas vêm para cá com os mesmos objetivos. Eles são movidos pelas notícias de oportunidades profissionais na Zona Franca de Manaus, na construção civil ou serviços”, disse.

Esse é o caso do professor universitário Jansen Estrázulas, 30, que veio para Manaus em 2006, do Rio Grande do Sul (RS), depois de ter recebido uma proposta de emprego para dar aula, numa universidade local, de biomecânica e cinesiologia. “A proposta salarial é melhor do que a do Sul do Brasil e a valorização profissional também”, contou, acrescentando que, por enquanto, não pretende voltar para a sua terra natal.

A população manauara não precisa ser contrária a essa migração, de acordo com Adjalma. “Isso é saudável porque eles vêm com objetivos de trabalhar e desenvolver o lugar. Já imaginou se não tivesse essa migração? Manaus demoraria mais tempo para se desenvolver, por falta de profissionais”, disse.
Adjalma disse, ainda, que também existem pessoas que saem daqui em busca de oportunidades. “É importante destacar que a população de Manaus também apresenta pessoas que estão emigrando para outros Estados ou para o interior, ou ainda voltando para suas cidades “, disse.

Os profissionais que emigram para outros municípios são, segundo o IBGE, engenheiros, especialistas, diretores, médicos, dentistas e auxiliares de enfermagem. “Há um rodízio de população devido a questões profissionais”, disse Adjalma.

Segundo ele, até o final do ano, o IBGE irá divulgar o capítulo especial sobre a migração de acordo com os dados do Censo de 2010.

Quatro em cada 10  são de fora

De acordo com o sociólogo Luiz Antônio Nascimento, de cada dez moradores de Manaus quatro não são manauaras. “Desde a implantação do Polo Industrial de Manaus, em 1967, a cidade tem tido um crescimento populacional. Manaus tem sido um polo industrial e de serviços que tem favorecido o processo migratório”, explicou, acrescentando que quando não se encontra oportunidades de emprego os imigrantes voltam para a sua terra como aconteceu na crise econômica dos anos 1990.

Segundo ele, existem dois fatores que contribuem para a imigração. O primeiro e mais comum é o econômico. “A pessoa sai de sua terra para melhorar de vida. As capitais brasileiras são produtos disso”, disse. O outro fator é a migração compulsória, em que as pessoas saem de sua terra natal sob pena por estarem em risco.