Shopping Ponta Negra pede prazo de um ano ao MP para construir passarela

A alternativa foi apresentada nesta quinta-feira. Segundo o diretor de engenharia da JHSF, a entrega da obra será demorada por conta da dependência de aprovação dos órgãos públicos e de empresas como a Eletrobrás

Manaus – A empresa responsável pelo shopping da Ponta Negra, JHSF Empreendimentos, fez um acordo com o Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) e a Prefeitura de Manaus, representada pelo Instituto Municipal de Ordem Social e Planejamento Urbano (Implurb) e o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans), para que apresente uma alternativa de organização e segurança do trânsito no local até que uma passarela seja construída.

O acordo foi firmado em reunião na manhã desta quinta-feira (4), no MP, localizado no bairro da Ponta Negra, zona oeste.

A JHSF informou, por meio do diretor de engenharia Paulo Sérgio Ferreira, que possivelmente a passarela ficará pronta no segundo semestre de 2014, quase um ano depois da inauguração do shopping, que tem data prevista para agosto deste ano.

Segundo o promotor de justiça do MP-AM, Paulo Stélio, a empresa ficou de apresentar até sexta-feira (5) uma alternativa até a passarela ser construída.

“A construção da passarela já é ponto pacífico. Falta apenas encontrar o local adequado, analisar a proposta da empresa e ai sim autorizar a construção. Eles terão que construir a passarela e já firmaram o compromisso. Se eles me apresentarem uma solução que não vai prejudicar o trânsito e nem as pessoas a gente flexibiliza o prazo da construção”, explicou o promotor.

O chefe de gabinete do Manaustrans, Maurício Reis, informou que o órgão está observando a viabilidade técnica para garantir a travessia segura dos pedestres.

“Estamos analisando a medida mais adequada neste momento até que se faça uma construção definitiva da passarela, para que possamos implementar uma sinalização que possa garantir a travessia das pessoas que vão frequentar o shopping. Nossa preocupação é garantir a segurança e fluidez do trânsito”, disse.

A explicação, conforme Maurício Reis, para que a empresa tenha a responsabilidade de construir a passarela no local é a demanda de veículos e pedestres que o shopping vai gerar.

“A construção da passarela é porque imagina-se um grande público. Se trata de um polo atrativo de viagem de carro e de pedestres”, comentou.

O diretor de engenharia da JHSF, Paulo Sérgio Ferreira, informou que apenas espera o apontamento do local para a construção, mas que a passarela é um compromisso assumido pela empresa.

“Vamos desenvolver um projeto e, após aprovação, será executado. Hoje mesmo, ou o mais tardar amanhã, nós vamos protocolar no MP um ofício com nossas alternativas até que ela fique pronta”, explicou.

Ferreira disse ainda que a entrega da obra será demorada por conta da dependência de aprovação dos órgãos públicos e de algumas empresas, como a Eletrobrás, que vai elevar as linhas de alta-tensão da via.

“Não é uma obra simples e deve levar em torno de um ano, até porque o prazo para entrega de elevadores, para desenvolvimento de projetos e até a cadeia produtiva que está muito demandada. Inclusive temos tido dificuldades para a conclusão do shopping por conta disso”, disse.’

A diretora do Implurb, Cristiane Sotto, comunicou que o órgão vai aguardar o cumprimento da recomendação e as alternativas dadas pela empresa para resolver a situação em definitivo.

Recomendação

Enviada pela 63ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção e Defesa da Ordem Urbanística para a Prefeitura de Manaus, a recomendação relatava que a inauguração do shopping Ponta Negra fosse barrada enquanto a empresa não construísse a passarela.

Além da construção, foi pedido a instalação de gradil e reforma na pavimentação da via, no trecho da passarela.