Luso Neto em show ‘Tudo Incluso’

Cantor amazonense apresenta novo show, no próximo dia 16, no Teatro Amazonas. Apresentação, que marca os 16 anos de carreira do artista, já em ingressos à venda na bilheteria do teatro

Mariah Brandt/[email protected]

 

Manaus – O cantor amazonense Luso Neto retorna ao principal palco de Manaus, o Teatro Amazonas, no próximo dia 16, para lançar o projeto ‘Tudo Incluso’. Com 16 anos de carreira, o artista embarca em mais uma aventura musical, dessa vez, fazendo uma mistura de soul, funk e pop.

Luso Neto fará uma mistura de soul, funk e pop, no show do Teatro Amazonas. Foto: Divulgação

Segundo ele, o projeto é um apanhado de todos esses anos de carreira vividos entre a capital amazonense, São Paulo e o Rio Grande do Sul. “O nome do show já trás essa mensagem porque através desse repertório eu quero incluir e comtemplar as duas gerações que já acompanham meu trabalho: o público do início, nas casas de shows manauaras que já não existem mais; e um público que mais recente, que, nessa época, era criança, mas já conhece o nosso trabalho nas rádios ou da internet”, afirma Luso.

Sobre o artista

Criado numa família de músicos e influenciado pela atmosfera que lhe cobria, Luso foi cultivando e trabalhando seu talento com foco no que era sua principal paixão: o rock and roll. Seus shows em homenagem a Cazuza marcam sua mistura entre o MPB e a Bossa Nova. “Aos 21 anos, eu cantava em barzinho Bossa Nova e MPB. Cheguei a abrir o show do Belchior, então, era um jovem cantando músicas velhas. Meu público tinha o dobro da minha idade, nessa época, início dos anos 2000. Era uma quebra de paradigma”, lembra o cantor.

Ao ganhar, em 2001, um concurso em uma rádio local, Luso deu o pontapé que precisava para se lançar de vez como cantor. “Desse período em diante, até 2004, tinha música veiculada nas rádios da cidade, tema de abertura em programas de TV locais, etc. Me apresentei nas principais casas da cidade e quem viveu isso e, na época, era adolescente, hoje é adulto. De 2009 pra cá, depois de assinar o último EP com a Universal Music, já percebo que meu público está entre os 16 e 24 anos, ou seja, também vai se renovando”, analisa o cantor, destacando que, no show do dia 16 de setembro, ele convidará o público para viajar com ele.

“Estou fora de Manaus há 12 anos. O show é uma espécie de viagem de autoconhecimento também, onde eu compartilho com o meu público, da minha cidade, meus trabalhos antigos, o que aconteceu na metade e o que eu proponho como artista agora, que é uma pegada mais americanizada, sim, com o soul, uma coisa mais Bruno Mars, sem esquecer dos meus clássicos: Cazuza, Chris Cornnell — para quem eu farei uma homenagem, já que foi um dos principais nomes do grunge dos anos 1990”, completa o artista.