Universo feminino dá tom às ‘perseguidas’

Dirigido por Vanessa Bordin, espetáculo ‘As Perseguidas’ estreia, hoje, no Centro Cultural Usina Chaminé. A montagem conta a história de mulheres que abordam tabus através da linguagem de bufões

Manaus – Tabus do universo feminino dão o enredo à história ‘As Perseguidas’, em cartaz pela primeira vez, hoje e amanhã, no Centro Cultural Usina Chaminé (Avenida Lourenço da Silva Braga, Centro de Manaus). Apesar de ‘pronta’ para estrear, a peça – que possui direção de Vanessa Bordin – está, também, em ‘fase de construção’. Isto porque a interação com o público é essencial e faz parte do processo construtivo do espetáculo. Hoje, a apresentação acontece às 20h e, amanhã, a partir das 17h. A entrada é gratuita.

A crítica ao sistema social e político, sob um discurso debochado, é a principal característica destas personagens. (Foto: Divulgação)

‘As Perseguidas’ conta a história de quatro mulheres ‘bufonas’ que abordam tabus do universo feminino através da linguagem de bufões – figuras grotescas, banidas e não condizentes com os padrões estabelecidos pela sociedade. A crítica ao sistema social e político, sob um discurso debochado, é a principal característica destas personagens.

Vanessa Bordin, que é professora de Teatro da UEA, conta que o nome da peça foi escolhido em votação recente, durante ensaios abertos para professores e alunos da Escola de Arte e Turismo da Universidade do Estado do Amazonas (Esat-UEA). “Pelo fato de o espetáculo estar em construção, a interação do público é importante para que a gente tenha um feedback sobre a compreensão do tema e, inclusive, sugestões de novas abordagens”, explicou a diretora, sobre a dinâmica da peça – que possui, ainda, uma roda de conversa com o público.

De acordo com Vanessa, ‘As Perseguidas’ está sendo desenvolvido desde março deste ano e conta, em sua equipe, com um total de seis mulheres. “Esta é apenas a abertura do processo, o início. Precisamos desta troca com o público para continuarmos a desenvolvê-lo”, reforçou.

O estudo do grotesco

Trabalhar com os bufões sempre foi um desejo de Vanessa Bordin. Durante sua graduação de mestrado, inclusive, ela chagou a atuar em um espetáculo com a temática. “É uma linguagem com a qual sempre gostei de trabalhar”, destaca a diretora. “A ideia para ‘As Perseguidas’ surgiu após uma conversa com as atrizes. Devido à situação que vivemos atualmente, no Brasil, os bufões se tornam muito necessários, pois vêm para denunciar algumas destas questões”.

A partir do mesmo bate-papo, o grupo decidiu trazer a temática ao universo feminino – “que também está em evidência”, afirma Vanessa. “Entre os tópicos que iremos abordar, estão o aborto e a sexualidade, por exemplo”, revelou.

Segundo a diretora, a apresentação ‘jogará’ diretamente com e para o público, através de um jogo de brincadeiras. “No final, realizaremos uma roda de conversa, onde estaremos abertas a perguntas sobre o processo da peça e a tirar dúvidas”, completou. “O público (feminino e masculino), inclusive, poderá trazer novas questões que poderemos inserir, posteriormente, na montagem. Como disse, a peça está em fase de construção”.

Anúncio