Artista: Sankofa faz resgate em videoinstalações

Artista amazonense participa de residência e exposição internacional evidenciando em suas obras os fazeres e saberes em instalações audiovisuais no Centro Cultural Oi Futuro, no Rio

Manaus – O conhecimento tradicional do povo preto de terreiro pauta o trabalho de Keila Sankofa. É a partir dessa identidade que a artista evidencia, em suas obras, o que ela considera a tecnologia do conhecimento ancestral. O resultado dessa convergência proposta pela amazonense está na Ocupação Amplify, na Galeria 2 do Centro Cultural Oi Futuro, no Rio de Janeiro.

“Não é possível refletir tecnologia pautando apenas equipamentos eletrônicos como finitude da discussão, o corpo carrega informações, e só a partir delas, é possível criar meios facilitadores de comunicação, transmissão de pensamentos e novos pensamentos, sensações e etc. É o corpo que produz primeiro essa inteligência, criando uma onda, fazendo com que esses eletrônicos possam ser ferramentas para utilizá-los no modo convencional ou recriar suas funções”, descreve Sankofa.

A artista foi convidada para participar da residência promovida pela Amplify Digital Arts Initiative (Amplify D.A.I.) em parceria com a Oi Futuro. O objetivo do programa é oferecer aos artistas recursos para o desenvolvimento, trocas entre pares, divulgação dos seus trabalhos em residências artísticas, eventos e festivais em diferentes países. E nessa exposição, a qual a artista amazonense foi convidada, são apresentadas uma instalação audiovisual e 15 obras em videoinstalações.

Keila Sankofa participou dos dois processos e avalia o convite como um reconhecimento ao trabalho que vem desenvolvendo em Manaus. “Esse é o início do resultado de muitas pesquisas, experimentos e estudos sobre produção de novas narrativas que venho desenvolvendo. Há muitos movimentos para que esses acontecimentos se transformassem em realidade”, revela.

No principal trabalho, Keila Sankofa participou de uma residência artística imersiva, junto com as artistas Bella, do Rio de Janeiro, e Nina Corti, da Argentina. Durante 13 dias de trocas, elas desenvolveram uma instalação inédita em audiovisual criada a partir do acervo de equipamentos eletrônicos e de telecomunicações do Oi Futuro.

“Realizar a residência com duas artistas que trazem sensações sonoras em suas obras, me faz reconhecer novas possibilidades na minha produção”, diz a artista.

Já na exposição que apresenta 15 obras, de duplas de artistas do Brasil, Argentina, Canadá e Reino Unido, Keila apresenta a performance de contato e interação ‘Presente das presenças’, resultado de uma residência online em parceria com a também artista argentina Fernanda Flores.

A Ocupação Amplify fica aberta até o dia 28 de agosto, no Centro Cultural Oi Futuro. A entrada é gratuita. Outras informações no site.

Anúncio