Centro recupera artefatos históricos

O Centro de Arqueologia ocupa a antiga Câmara Municipal de Manaus, no Centro e vai expor itens recuperados durante as obras

Manaus – O futuro Centro de Arqueologia de Manaus, que ocupa o prédio tropical neoclássico colonial da antiga Câmara Municipal, na Avenida Sete de Setembro, no Centro, consolidará a salvaguarda, proteção, divulgação e promoção do patrimônio arqueológico da cidade. Um dos conceitos que serão utilizados é o de musealização da arqueologia, método aplicado como recurso de exposição pública, conservando os remanescentes in situ (no local achado), com técnicas museográficas.

Centro de Arqueologia (Foto: Altemar Alcantara/Semcom)

O prédio, que ficou abandonado por uma década, recebe intervenção promovida pela Prefeitura de Manaus, com recursos próprios, dentro do projeto ‘Manaus Histórica’, lançado na gestão do prefeito Arthur Virgílio Neto e que já restaurou diversos espaços e prédios públicos. “O Centro de Arqueologia será um dos grandes legados históricos que deixaremos à cidade, assim como o Museu da Cidade de Manaus, o Casarão da Inovação Cassina e o próprio Centro, que se reencontra com suas origens ao passo que caminha para a modernidade”, disse o prefeito Arthur.

Entre os últimos trabalhos realizados na pesquisa arqueológica, feitos durante o restauro, está a ampliação de uma unidade na trincheira do pátio, a fim de evidenciar os remanescentes arqueológicos neste local e conservá-lo in loco para a exposição pública. Essa é uma unidade expositiva com evidenciação de um vasilhame, que ficará exposto com a técnica da superfície em vidro e tratamento museográfico. A expografia é uma forma de comunicação de museus e centros de cultura onde é estabelecido o diálogo entre o acervo e o visitante.

“O Centro de Arqueologia de Manaus nasce com a característica e responsabilidade de conservar, preservar, pesquisar e divulgar todo esse potencial do patrimônio arqueológico evidenciado na obra de restauração da antiga Câmara, que estamos concluindo, como mais um dos legados históricos deixados pelo prefeito Arthur à cidade, o que garantirá às gerações futuras o entendimento do nosso passado, neste presente, com perspectiva futura”, declarou Cláudio Guenka, diretor-presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), órgão que coordena as ações de restauro.

blank

(Foto: Altemar Alcantara/Semcom)

Em outra sala de exposição do Centro de Arqueologia de Manaus, o visitante poderá conferir um corte estratigráfico (por camadas) do terreno no interior da edificação histórica, exibindo um trecho do solo e da cultura material evidenciada durante a intervenção.
Esse procedimento demonstrou que o subsolo da edificação histórica sofreu alterações durante o tempo. As camadas arqueológicas não estavam o tempo todo depositadas de maneira natural. Em alguns momentos o solo já estava alterado por intervenções anteriores.

Análises comparativas, as pesquisas anteriores e a cultura material resgatada no salvamento arqueológico na obra potencializaram a importância do chamado ‘Sítio Manaus’. .

A pesquisa arqueológica revelou ainda fragmentos de cerâmicas pré-históricas de várias tradições de ocupação da Amazônia.

Durante os trabalhos, a equipe de arqueologia encontrou escombros originários de outras reformas na edificação e foi em um dos porões obstruídos, abaixo do contrapiso, a mais de 1,10 metro de profundidade, que se revelou os remanescentes arqueológicos, que podem estar relacionados às práticas mortuárias.

Anúncio