Comédia romântica com ‘Ana e Vitória’ estreia dia 2 de agosto

Mesmo sem fatos essenciais da trajetória da dupla, filme aborda relacionamentos modernos de forma leve e divertida. Produção foi rodada no Rio de Janeiro e tem duração de 115 minutos

Manaus – Bem sabíamos que o longa ‘Ana e Vitória’, estrelado por Ana Caetano e Vitória Falcão — do duo que, no título, aglutina seus nomes — não seria exatamente ‘that movie’, afinal, as meninas do Tocantins são cantoras e não atrizes. Certo?!

Errado. A produção do longa foi uma ideia muito bem pensada para recolocar quem não lança um disco desde 2016 no páreo dos streamings, possivelmente com as músicas inéditas do filme.

Músicas inéditas do filme devem agitar os fãs do duo, que não lança álbum desde 2016. (Foto: Divulgação)

Rodado no Rio de Janeiro, o filme conta de forma direta e sem maquiagem quem são Ana e Vitória, pelo menos, no filme. Se, na vida real, as meninas são discretas quanto à vida pessoal e quase nunca falaram ou falam sobre relacionamentos, a ‘pseudocinebiografia’ pode fazer brotar inúmeras teorias na cabeça criativa dos fãs, já que intercala o jeito cômico da dupla — que vive suas experiências amorosas pra lá de inusitadas — com o drama das garotas.

Na trama, as meninas se reencontram em uma festa e, após ouvir Vitória cantando, Ana faz uma proposta para gravarem uma música juntas. Isso marca o início da dupla, que faz um sucesso arrebatador. As duas precisam, então, aprender a lidar com fãs e a fama, ao mesmo tempo que ainda estão tentando encontrar quem elas realmente são.

Logo que o primeiro trailer foi lançado, o burburinho inicial foi pelo fato da Ana viver um romance com outra mulher, Cecília, interpretada de forma fantástica por Clarissa Müller. Todavia, o amor, foco principal de toda a trama, é tratado de forma sensível e verdadeira em todos os ‘relacionamentos modernos’ retratados. É bem fácil se identificar e se ver no meio da história. Ah, é bom preparar o coração porque é impossível assistir aos 115 minutos de filme e não ter um casal favorito.

Entretanto, o filme mantém um compromisso muito maior de passar sua mensagem sobre a liquidez dos amores contemporâneos do que com a própria verdade dos fatos. ‘Ana e Vitória’ não é uma cinebiografia do duo. Alguns fatos essenciais da história da criação da dupla nem são mencionados. Por isso, o teor de ‘obra de ficção’.

Vale lembrar que, pelo fato de a dupla ter tido sua ascensão na internet, a conexão do filme com redes sociais e a web é contínua, mas não se torna algo cansativo em momento algum.

Expectativa

O que leva a crer que o filme vai ser muito bem recebido pelos fãs, porém, é nada mais nada menos que a naturalidade impressa por Ana e Vitória em suas atuações. Como é comum em filmes onde o artista interpreta a si mesmo e acaba tornando-se um personagem diferente, o duo permanece com sua verdade o filme inteiro.

Quem optar por conferir o lançamento nacional, vai encontrar uma trilha sonora pura e repleta de ambiências que se adequam à trama. As músicas inéditas são totalmente diferentes de tudo que o duo já mostrou. O feeling é bem alinhado, os personagens são genuínos e, como espectadora e fã, eu não sabia o que esperar do longa, mas ele demonstra uma parceria livre de julgamentos de uma dupla que veio para ficar.

A estreia nacional de ‘Ana e Vitória’ ocorre na próxima quinta-feira (2).

Anúncio