Produções amazonenses são premiadas no Festival de Cinema de Gramado

O curta O Barco e o Rio levou cinco prêmios, incluindo melhor curta. A série animada Lupita Pelo Mundo também foi premiada

Manaus – Com seis Kikitos, a produção audiovisual do Amazonas realiza um feito histórico no 48° Festival de Gramado, encerrado no último sábado (26). O Barco e o Rio levou cinco prêmios, incluindo melhor curta, enquanto a animação Lupita Pelo Mundo ganhou um troféu.

O Barco e o Rio é uma produção da Fita Crepe Filmes e levou os Kikitos de Melhor Filme (curta), Melhor Direção (para Bernardo Ale Abinader), Direção de Arte (para Francisco Ricardo), Direção de Fotografia (com Valentina Ricardo) e o prêmio do Júri Popular.

Lupita Pelo Mundo, produção da Petit Fabrik, foi a mais votada pelo público na categoria melhor série brasileira.

Devido a pandemia da Covid-19, a edição do Festival de Cinema de Gramado deste ano foi virtual, com filmes exibidos no Canal Brasil e plataformas oficiais. A premiação foi apresentada por Renata Boldrini e Marla Martins.

O Barco e o Rio levou cinco prêmios, incluindo melhor curta (Foto: Divulgação/O Barco e o Rio)

O longa pernambucano King Kong en Asunción, de Camilo Cavalvante, conquistou três Kikitos, entre eles o de Melhor Filme do 48º Festival de Cinema de Gramado. Andrade Júnior, o protagonista que infelizmente não chegou a ver a obra concluída porque faleceu em maio de 2019, foi reconhecido como Melhor Ator pela brilhante atuação do matador de aluguel que, depois de cometer o último assassinato na região desértica de Salar de Uyuni, se esconde no interior da Bolívia e em seguida decide ir atrás da filha que nunca conheceu.

O filme Todos os Mortos, de Caetano Gotardo e Marco Dutra, que aborda a história do Brasil a partir da perspectiva de pessoas escravizadas, venceu nas categorias de Melhor Atriz Coadjuvante, para Alaíde Costa, e Melhor Ator Coadjuvante, para Thomás Aquino.

Confira os premiados no site do festival.

Anúncio