‘Você’: psicopatia e romance em nova série

Penn Badgley, de ‘Gossip Girl’, e Shay Mitchell, de ‘Pretty Little Liars’, estrelam inebriante seriado

Manaus – As estreias de fim de ano da Netflix foram agitadas. Dentre outras coisas, chegou ‘Bird Box’, esperado drama apocalíptico com Sandra Bullock e que soma 45 milhões de visualizações; e a pseudocomplexa ficção científica ‘Bandersnatch’, filme da série ‘Black Mirror’ que possui caráter interativo e cinco finais distintos. Mas, mesmo entre gigantes, uma nova série de dez episódios está conseguindo chamar a atenção do público de uma forma crescente e surpreendente: é a inebriante ‘Você’, trama adaptada de um livro da americana Caroline Kepnes.

Penn Badgley, de ‘Gossip Girl’, e Shay Mitchell, de ‘Pretty Little Liars’, estrelam inebriante seriado ‘Você’ (Foto: Divulgação/Netflix)

A série é contada a partir do ponto de vista de Joe Goldberg (Penn Badgley), um atendente de livraria que mostra ter traços de sociopatia logo de cara. Ele se apaixona à primeira vista pela desconhecida Beck (Elizabeth Lail), uma cliente da loja que pede uma indicação de um livro qualquer.

A partir daí, ele começa a perseguir a garota, acompanhar ativamente as suas redes sociais e a interferir no seu cotidiano para que, de alguma maneira, um romance floresça. Mas, antes disso, precisa desafiar a amiga Peach (Shay Mitchell) e o ficante Benji (Lou Taylor Pucci).

A trama, por si só, já chama a atenção, mas o aspecto principal de ‘Você’ é o seu caráter genérico – de maneira positiva, porém. A história parece a mistura inteligente de ‘Dexter’, série com um protagonista psicopata; e as juvenis ‘Gossip Girl’ e ‘Pretty Little Liars’.

O ator Penn Badgley, aliás, parece reprisar seu papel de Dan Humphrey, de ‘Gossip Girl’, mas com um caráter ainda mais neurótico. A personagem Beck, que desperta paixão e ódio por parte do público, também parece uma mistura divertida das antigas protagonistas da série juvenil americana.

Essa junção narrativa, que vai trazendo boas lembranças de outras produções e adquirindo caráter instável, torna toda a série inebriante – ou hipnótica, como o escritor Stephen King elogiou em sua conta oficial no Twitter. Afinal, a trama policial vai se intercalando com o estranho e pouco usual romance entre Joe e Beck, fazendo com que Você seja difícil de decifrar por essência. São dois gêneros que sempre se misturam, mas sempre de forma a afetar um ao outro. Aqui, as tramas correm em paralelo, tendo só o protagonista sociopata como confidente.

Além disso, vale destacar um aspecto difícil de encontrar em séries do gênero: profundidade nos personagens principais. É possível gostar de Joe, mesmo sendo o vilão. O espectador, por si só, entra num grave conflito – ainda mais com a ótima atuação de Badgley, que ainda não tinha apresentado outro bom trabalho após o fim de ‘Gossip Girl’. E a personagem de Beck, que deveria ser a mocinha boazinha, inverte esse clichê e apresenta aspectos negativos. Pena que Lail não seja uma atriz à altura do papel, melhorando só nos últimos episódios.

Algumas pessoas também podem argumentar que certas situações são artificiais demais ou que vão além do que a série se propõe – como as cenas quentes de Beck na janela de casa. E são artificiais mesmo. Mas, assim como a série assume seu caráter genérico, ‘Você’ sabe que também possui algumas facilitações narrativas, algumas passagens da história que não casam e tenta compensar com outras situações deveras reais e mundanas. Aí, neste ponto, fica por conta do espectador: se comprar a narrativa, vê todos episódios em um dia.

Ao final, só fica a dúvida de como a Netflix, que comprou os direitos de exibição da Lifetime, vai fazer para continuar a série a partir de onde parou – e, de certa maneira, repetindo essa boa características de juntar gêneros e histórias distintas numa só trama. Mas, para a série que conseguiu dividir as atenções com ‘Bird Box’ e ‘Black Mirror: Bandersnatch’, nada mais é impossível.