Como a musicoterapia pode ajudar a saúde mental

A música produz efeitos tão benéficos para a saúde mental como a prática de exercício físico para a perda de peso

Manaus – Segundo Estudo publicado na revista JAMA Network Open, a música produz efeitos tão benéficos para a saúde mental como a prática de exercício físico para a perda de peso. O estudo foi realizado com aproximadamente 780 pessoas que mostraram que o impacto positivo em cantar, tocar ou ouvir música, era tão benéfico quanto fazer atividades físicas.

(Foto: Divulgação / Pixabay)

De acordo com Rita de Cassia dos Reis Moura, coordenadora do curso de Pós-graduação em Musicoterapia, a Musicoterapia pode ajudar pessoas com ou sem sofrimento mental. “A música estimula diversas áreas encefálicas e promove grande ginástica cerebral desencadeando alterações tanto fisiológicas como emocionais e comportamentais”, disse.

A seguir, Rita de Cassia explica como a Musicoterapia pode ser benéfica para a saúde mental.

Por que ouvir música provoca bem-estar nas pessoas?

As informações auditivas são transmitidas após várias sinapses em diversos locais do cérebro e termina no córtex associativo (multissensorial). A principal função é permitir selecionar o tipo de informação a tratar de forma prioritária; ela está ligada aos centros da vigília, das motivações, assim como aos centros de atenção. Nesse momento, o ouvinte pode optar pela informação que seja mais interessante, cativante ou importante. Sendo assim, áreas do controle cognitivo emocional projetam seus axônios para diversas regiões corticais e subcorticais liberando neurotransmissores que modulam a atividade dessas áreas. Os neurônios colinérgicos excitam os dopaminérgicos que são fundamentais na mediação dos efeitos de recompensa ou prazer nos modificando de forma positiva.

O sentimos ao ouvir música?

Dependendo do tipo de música que a pessoa escuta serão desencadeadas sensações positivas ou negativas. As aferências sensoriais podem ter efeitos emocionais sobre o encéfalo sem que o percebamos conscientemente. A emoção inconsciente pode liberar respostas neurovegetativas em experiências desagradáveis ou agradáveis e evocam uma maior atividade do encéfalo na região da amígdala e sistema límbico (é a unidade responsável pelas emoções e comportamentos sociais). A sensação de calafrios foi descrita a primeira vez por Goldstein em 1980 e são sentimentos de formigamento que os ouvintes às vezes experimentam. Calafrios são geralmente experiências agradáveis que podem ser acompanhados por reações fisiológicas, como arrepios. Os calafrios parecem estar relacionados a estruturas musicais distintas e ao sistema de recompensa no cérebro. Estudos utilizam os calafrios como indicadores de picos emocionais individuais, eles são indicadores confiáveis, combinando relatos de sentimentos subjetivos com excitação fisiológica: tipicamente a sudorese, secura da boca, tensão no estômago, respiração rápida, taquicardia e tensões musculares; além da percepção emocional: medo, raiva, alegria e tristeza, que são as reações básicas. Temos as emoções secundárias que são estados afetivos ou sentimos emocionais de estrutura e conteúdo mais complexos.  Essas alterações estão diretamente relacionadas a estados comportamentais, emocionais e de relações inter e extra pessoal.

Como a musicoterapia pode auxiliar a saúde mental das pessoas?

A saúde mental está relacionada à forma como as pessoas reagem às exigências, mudanças vivenciadas, desafios, como organiza suas ideias e emoções, claro que todos nós passamos diariamente uma série de experiências emocionais e como enfrentamos cada uma dessas experiências é que pode determinar nosso equilíbrio e saúde mental, estando diretamente relacionado com o bem-estar e qualidade de vida.

Musicoterapia como uma terapia que utiliza os sons/músicas para acionar grupo de neurônios envolvidos e conectados a diversas regiões cerebrais, promove estimulação de neurotransmissor/hormônios que liberados no meio extracelular poderão promover diferentes formas de comportamentos, entre eles os emocionais/comportamentais.

O Musicoterapeuta tem tanto domínio musical como na área da saúde, os objetivos são bem específicos com o propósito de estimular, regular, modular e ativar funções cognitivas: como memória, motivação, atenção, concentração, controle motor, reflexão, bem como estados emocionais/humor e estados metabólicos.

Nesse sentido a saúde mental é um dos objetivos da musicoterapia no sentido de propiciar diferentes estímulos com intuito de obter equilíbrio, sensação de bem-estar, promover reflexão, harmonia no manejo positivo das adversidades e conflitos, promover o reconhecimento de limites individuais, das deficiências, satisfação em viver, nos relacionamentos, sensação de bem-estar e consequentemente melhor na qualidade de vida.

Anúncio