Barreiras podem impedir aprendizado de crianças; saiba quais

Especialista mapeou obstáculos que podem afetar o aprendizado infantil

Manaus – Há diversas categorias gerais de barreiras que podem afetar o aprendizado de crianças. Alguns são puramente externos: cronogramas apertados, muito trabalho, falta de materiais ou tecnologias disponíveis e assim por diante. Outros são internos e se originam nas experiências, emoções ou mentalidades preexistentes das pessoas.

(Foto: Divulgação)

Para um melhor envolvimento e participação do aluno, a família e a escola devem eliminar ao máximo as dificuldades para a aquisição do conhecimento, ajudando-o a transpor tais obstáculos com facilidade. As razões para o seu surgimento podem variar, mas as barreiras para a aprendizagem se enquadram em três categorias básicas: emocionais, motivacionais, pedagógicas e comportamentais.

Mas afinal, o que são barreiras comportamentais da aprendizagem? A pedagoga Priscilla Lima fez uma análise de comportamento e mapeou barreiras e comportamentos, que dificultam ou impedem o aprendizado e a aquisição da linguagem e que podem impedir o progresso da criança. Essas barreiras foram categorizadas em 6 tipos.

“Primeiramente, muitas crianças com autismo ou atrasos de desenvolvimento apresentam fortes e persistentes comportamentos negativos que impedem o aprendizado. Em segundo lugar, um ou mais operantes verbais ou habilidades relacionadas podem estar ausentes, enfraquecidos ou, de algum modo, comprometidos. Em terceiro, o comportamento social também pode se tornar comprometido por uma série de razões. Em quarto lugar, inúmeras outras barreiras devem ser analisadas e superadas a fim de que o aprendizado seja significativo. Em quinto lugar, uma variedade de comportamentos específicos, podem concorrer como o aprendizado. E por último, alguns problemas podem estar relacionados às barreiras físicas ou clínicas e devem também ser levados em consideração”, analisou a pedagoga.

De acordo com Priscilla Lima, a solução dessas barreiras, ou desses comportamentos, passa um programa de intervenção que deve incluir tanto a avaliação detalhada das habilidades da criança.

“A detecção de comportamentos ou barreiras que impedem o seu progresso, como por exemplo, os acessos de raiva e respostas decoradas. O atendimento psicopedagógico comportamental, compromete-se com a identificação, tanto do tipo e categoria, análise e mapeamento do contexto e a elaboração de um programa de intervenção, pois a análise do comportamento elucida que a combinação dos fatores falta de habilidades e presença de barreiras é frequente e intimamente relacionada”, avalia.

Priscilla Lima possui mais de 15 anos de experiência em atuação na Educação de crianças com dificuldades de aprendizado e aponta o caminho a percorrer na evolução e desenvolvimento infantil. “A remoção, extinção desses comportamentos, devem ocorrer para que a aprendizagem ocorra de forma saudável e prazerosa, tornando a criança funcional, autônoma, eficiente e feliz”, conclui.

Anúncio