Confira os prejuízos da gordura trans no organismo

A gordura trans é prejudicial, pois contribui para aumento do colesterol total e lipoproteínas

Manaus – A indústria de alimentos corre para se adequar às exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que estabelece o prazo de até 2023 para que deixe de utilizar gordura trans nos produtos que fabrica. O ingrediente, dizem os especialistas, pode ser bastante prejudicial à saúde.

(Foto: Reprodução)

A gordura trans é produzida a partir de óleos vegetais líquidos. Segundo a nutricionista do Pátio Gourmet, Lívia Ribeiro, esse tipo de gordura é adicionado nos alimentos como uma forma de manter a conservação por mais tempo. Está presente, por exemplo, em produtos como bolachas, pães, bolos, sorvetes, dentre outros.

Os ácidos graxos trans (AGT) são ácidos insaturados que apresentam pelo menos uma ligação dupla de carbono na sua configuração. Industrialmente acontece, principalmente, pela hidrogenação parcial de óleos vegetais e de peixes.
A gordura trans é prejudicial, porque contribui para o aumento do colesterol total e lipoproteinas de baixa densidade LDL e a diminuição das lipoproteinas de alta densidade HDL. Com isso, há risco de provocar doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes e até o desenvolvimento de alguns tipos de câncer.

Lívia explica que ao longo dos anos as pesquisas têm mostrado o quanto a gordura trans é ruim para saúde. A Anvisa vem acompanhado esses estudos e determinando regras para o seu uso. Primeiro, em 2003, o órgão estabeleceu a obrigatoriedade de os alimentos industrializados apresentarem nos rótulos a quantidade contida de gordura trans.
Em 2012 diminuiu de 0,2 para 0,1 grama a presença máxima desse ingrediente nos produtos. Em 2018, a Organização Mundial da Saúde (OMS) apresentou a proposta para eliminar a gordura trans dos produtos alimentícios, o que foi acatado pela Anvisa, estabelecendo como prazo máximo para isso o ano de 2023.

De acordo com Lívia, para que a indústria se adeque às novas regras, a Anvisa tem promovido uma série de cursos e treinamentos direcionados aos profissionais do setor.

A alimentação natural, rica em verduras, frutas, fibras sempre vai ser a melhor escolha, pontua a nutricionista do Pátio Gourmet. Esses itens possuem gorduras boas para a saúde. “Isso não significa a eliminação dos alimentos industrializados das prateleiras. Seria impossível. A proposta da Anvisa é mostrar que há formas de deixar esses produtos mais saudáveis”, frisou.