Encontro das Mulheres Motociclistas reúne apaixonadas por motos em shopping de Manaus

Organizado pelo primeiro clube do gênero, As Amazonas, o evento deve reunir cerca de 50 mulheres motociclistas

Manaus – Seja como meio de transporte ou hobby, a motocicleta vem conquistando cada vez mais o coração das mulheres. Se antes eram figuras raras pilotando duas rodas no trânsito, hoje não é difícil encontrá-las nos cruzamentos de Manaus. E para reunir esse público, o estacionamento frontal do Shopping Ponta Negra recebe, neste domingo (16), às 16h, o Encontro das Mulheres Motociclistas. A entrada é gratuita.

Segundo a coordenadora de marketing do shopping, Priscila Furtado, o encontro será uma oportunidade para mostrar que as mulheres mandam bem pilotando estas máquinas. “Além disso, pode incentivar outras mulheres a começarem a pilotar, conquistando sua autonomia e independência”, enfatizou.

Evento vai servir para incentivar outras mulheres a começarem a pilotar (Foto: Divulgação)

Organizado pelo primeiro clube do gênero, As Amazonas, o evento deve reunir cerca de 50 mulheres motociclistas. “A ideia do evento é reunir mulheres que são apaixonadas por motos para trocarem dicas, experiências e estreitar os laços para, futuramente, marcar viagens sobre duas rodas”, destacou a presidente do clube, Waldesta de Oliveira Costa.

Encontro será uma oportunidade para mostrar que as mulheres mandam bem pilotando estas máquinas (Foto: Divulgação)

Ela, que trabalha como costureira, contou que a paixão por moto surgiu ainda na adolescência, quando pilotava ainda modelos menores, as famosas mobiletes. “Depois que me casei fiquei alguns anos parada, mas há cinco anos ganhei uma motocicleta on-off-road e não parei mais, já percorri a BR-319 de motocicleta e fui de Porto Velho até a Venezuela”, comentou a presidente do clube As Amazonas.

Criado há três anos, As Amazonas surgiu da dificuldade de reunir outras mulheres motociclistas (Foto: Divulgação)

Criado há três anos, As Amazonas surgiu da dificuldade de reunir outras mulheres motociclistas. “Os clubes são tomados por homens e a maioria não permite que as mulheres façam parte. Alguns deixam que elas usem o colete apenas se forem garupas e casadas com membros, então decidimos criar um clube onde todas as mulheres possam ter vez e voz”, disse.