Entenda os riscos da Covid para crianças

Apesar dos estudos sobre a resistência ao coronavírus é preciso combater a infecção da Covid-19 nas crianças

Manaus – Desde o início da pandemia, médicos e especialistas afirmam que as crianças têm menos chances de complicações causadas pela Covid-19. No entanto, cada organismo reage de uma maneira à doença e ninguém quer pagar para ver como seu filho desenvolveria os sintomas caso fosse contaminado. Por isso, continuam sendo muito importantes os cuidados com a saúde dos pequenos.

“A maior parte das crianças e adolescentes são assintomáticos ou apresentam sintomas leves da doença, mas isso não quer dizer que é impossível que haja complicações ocasionadas pela Covid-19. Além disso, eles são transmissores da doença e podem levar o vírus para dentro de casa”, afirmou a médica pediatra e neonatologista, Adeliane Bianchinni.

Até mesmo a contaminação pode ser mais difícil de acontecer nesse público, de acordo com um estudo recente publicado na Royal College of Pediatrics and Child Health, do Reino Unido. Segundo o levantamento, as crianças têm 44% menos chances de serem contaminadas se comparadas às possibilidades de os adultos ficarem doentes.

Adeliane afirma que por se tratar de uma doença recente, os protocolos de tratamento ainda estão sendo levantados, mas algumas atitudes podem minimizar a possibilidade de infecção. “Os cuidados são quase os mesmos que devem ser tomados com os adultos, mas as crianças ainda não têm maturidade para entender o que está acontecendo no mundo. Por isso, temos que ter a sensibilidade e paciência de explicar para elas a importância dos novos comportamentos e como isso pode protegê-las”, explicou a médica, que atende na Clínica Neovida (@pediatra_adeliane).

Dentre os cuidados que devem ser tomados estão o uso de máscaras para crianças com mais de dois anos, a higienização das mãos com água e sabão ou álcool em gel e o distanciamento social. “Estamos começando a flexibilizar a quarentena, mas temos que colocar na cabeça que ainda não estamos livres da pandemia. Não podemos esquecer que o vírus ainda está circulando e não podemos agir como há alguns meses”.

Outra forma de assegurar a saúde dos pequenos é reforçando a sua imunidade com uma boa alimentação e mantendo o cartão de vacinação em dias. “Isso não os protege de serem infectados, mas assegura que eles respondam positivamente ao tratamento de qualquer doença que por ventura possam adquirir nesse período”.

Susto

Na última semana, a digital influencer e empresária Luana Carvalho, mãe da pequena Martina, levou um susto quando a menina foi diagnosticada com a doença. “Percebi que ela estava doente quando ela começou a tossir incessantemente a noite, dois dias seguidos, sendo que antes estava normal. Ela estava com o nariz com coriza, tosse seca e falta de apetite. Não queria comer nem mesmo os alimentos preferidos”, relembrou.

Luana afirma que nos primeiros dias trataram a menina em casa como se fosse uma gripe comum. “Quando o quadro piorou procuramos a emergência e o tratamento teve que ser intensificado para a Covid-19”.

Ela disse que desde o início da pandemia explicou para a filha sobre a importância do uso da máscara. “Agora tive que explicar que ela estava doente, para que pudéssemos dar os remédios necessários. Sempre tivemos o cuidado do uso da máscara, mas agora vamos redobrar ainda mais essas precauções”, assegurou.

Anúncio