Alec Baldwin esconde o rosto de fotógrafos após ser indiciado pela morte de cineasta

O ator foi acusado por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar, por atirar em Halyna Hutchins

Los Angeles – Alec Baldwin foi flagrado por um paparazzi pela primeira vez após ser indiciado por homicídio culposo (quando não há a intenção de matar) pela morte da diretora de fotografia Halyna Hutchins, em outubro de 2021.

(Foto: Reprodução)

Nas imagens é possível ver o artista descendo de um carro e entrando em um prédio comercial localizado, em Nova York, nos Estados Unidos. Ele tenta cobrir o rosto com alguns papeis e envelopes e se esquiva dar perguntas dos jornalistas.A mulher dele, Hilaria Baldwin, também foi fotografada nesta semana após o indiciamento, mas não falou com a imprensa.

Relembre o caso

Alec Baldwin manuseava o revólver Colt 45 durante os ensaios de uma cena do filme Rust quando disparou um tiro acidental que matou a diretora fotográfica, Halyna Hutchins, de 42 anos, e feriu o diretor Joel Souza. O caso aconteceu em outubro de 2021.

Assim como Baldwin, a encarregada das armas do filme, Hannah Gutierrez-Reed, responsável pelo revólver que disparou o tiro, também será acusada por homicídio culposo.

Se forem considerados culpados, ambos podem ser condenados a até 18 meses de prisão e a pagar uma multa de US$ 5 mil.

Baldwin, de 64 anos, afirmou repetidamente que a equipe lhe disse que a arma não estava carregada. A ex-estrela da série de televisão 30 Rock também disse anteriormente que não apertou o gatilho, embora os especialistas tenham questionado esta afirmação.

O advogado de Baldwin, Luke Nikas, prometeu contestar a acusação, que classificou como “um terrível erro judicial”. “O Sr. Baldwin não tinha motivos para acreditar que havia uma bala ‘viva’ na arma, ou em qualquer parte do set de filmagem”, afirmou Nikas.

“Ele confiou nos profissionais com quem trabalhava, que lhe garantiram que a arma não tinha balas reais. Vamos lutar contra essas acusações e vamos vencer”.

Anúncio