Justiça concede medida protetiva a modelo que acusa Bruno Krupp de violência sexual

Priscila Trindade contou a informação em suas redes sociais e disse se sentir mais segura com a decisão judicial

São Paulo – Priscila Trindade, uma das mulheres que acusam Bruno Krupp de violência sexual, contou em suas redes sociais que a Justiça a concedeu uma medida protetiva contra o modelo, que está preso por atropelar e atropelar João Gabriel Cardim Guimarães, de 16 anos.

Priscila Trindade alega ter sido estuprada por Bruno Krupp há 6 anos. (Foto: Reprodução / Instagram)

“Finalmente minha medida protetiva saiu, o que já me dá uma certa segurança”, disse ela, que prometeu gravar um vídeo falando sobre tudo o que vem enfrentando desde denunciou o influenciador.

“Depois que a gente vive uma situação assim, percebe que esse tipo de coisa é mais comum do que imaginávamos. (…) Quero que as mulheres entendam de uma vez por todas que não importa se tem gente que vai te julgar, porque quem tem empatia e o mínimo de humanidade no coração vai ficar do teu lado para te defender”, completou ela.

Quando expôs a violência sofrida há 6 anos contra Bruno Krupp, a modelo contou ter recebido quase 40 outras denúncias contra ele.

Morte de adolescente

Bruno Fernandes Moreira Krupp atropelou o jovem de 16 anos, João Gabriel Cardim Guimarães, na noite do dia 30 de julho, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, por volta das 22h50.

O modelo conduzia uma moto a 120 km/h na avenida Lúcio Costa, 2916, onde a velocidade máxima permitida é de 60 km/h. Segundo os agentes da polícia que atenderam a ocorrência, o veículo estava sem placa e Bruno não tem carteira de habilitação.

A vítima estava acompanhada da mãe, Mariana Cardim, e teve uma perna amputada na hora do acidente, que foi arremessada a 50 metros de distância devido ao impacto da batida. Testemunhas chegaram a colocar a perna do menino no gelo para que ela fosse colocada de volta em possível cirurgia.

João Gabriel foi socorrido com vida, mas morreu ao dar entrada no Hospital Municipal Lourenço Jorge.

Bruno foi levado para o mesmo hospital da vítima, mas foi transferido no dia seguinte, 31 de julho, para o Hospital Marcos Morais, no Méier, Zona Norte do Rio.

Segundo o advogado do influenciador, William Pena, o jovem estava atravessando a via fora da faixa de pedestres e teria ameaçado voltar. Pena alega que Bruno se assustou e relatou uma falha nos freios da moto.

No dia 3 de agosto, o modelo teve sua prisão preventiva decretada pela juíza Maria Izabel Pena Piranti e foi submetido a uma cirurgia de reposição de pele para tratar os hematomas do acidente. Pouco antes da cirurgia, ele gravou um vídeo e se disse arrependido. “Gente, pelo amor de Deus, eu sou a última pessoa que queria que isso tivesse acontecido. Pode ter certeza que eu queria que o pior tivesse acontecido comigo. Eu fui levado de ambulância, eu fui transferido de hospital, eu não fugi do hospital, não fugi dos médicos.”

Anúncio