Kanye West é fã de Hitler e queria homenagear nazista em álbum, diz TV

Pessoas ligadas ao rapper afirmaram que ele queria dar o nome do ditador a um dos seus trabalhos

EUA – As declarações antissemitas feitas recentemente por Kanye West não surpreenderam quem já trabalhou com o rapper. Pessoas envolvidas com o cantor disseram à CNN nesta quinta-feira (27) que ele é fã de Adolf Hitler e pensou até em homenagear o líder nazista em um dos seus álbuns.

(Foto: GC Images)

“Ele elogiava Hitler dizendo que era incrível ele ter conseguido acumular tanto poder e falava sobre as coisas que ele e o Partido Nazista conseguiram para o povo alemão”, disse um executivo que trabalhou com Ye e que pediu para não ser identificado.

Ainda segundo a fonte, West gostava de dizer que tinha lido Minha Luta, a autobiografia de Hitler, e admirava como o nazista usava a propaganda.

A admiração era tão grande que quatro pessoas confirmaram à CNN que Kanye West queria chamar o seu álbum de 2018 de ‘Hitler’. Ele foi demovido da ideia, e o trabalho acabou sendo lançado como Ye.

A emissora tentou ouvir Kanye West sobre o assunto, mas não obteve resposta.

No início do mês, o cantor foi banido do Instagram após publicar trechos de uma conversa com o rapper Diddy, que criticava West por usar, dias antes, uma camiseta escrita “White Lives Matter” durante um desfile de moda em Paris.

“Vou usar você como exemplo para mostrar ao povo judeu que disse para você me ligar que ninguém pode me ameaçar ou influenciar. Eu disse que isso era uma guerra. Agora vá arranjar alguns negócios para você”, dizia a mensagem do artista.

O comentário foi caracterizado como antissemita, por propagar os esteriótipos dos judeus como um povo ganancioso.

Após a declaração, várias marcas cancelaram contratos que tinha com Ye. O rapper afirmou que perdeu R$ 10 bilhões em um único dia.

Anúncio