Rita Lee cogitou eutanásia após descobrir o câncer no pulmão

A cantora morreu aos 75 anos em decorrência da doença que lutava desde 2021

São Paulo – Rita Lee, que morreu no início de maio aos 75 anos, em decorrência um câncer no pulmão, contou em um novo livro de autobiografia, chamado Rita Lee: Outra Biografia, que pensou em fazer eutanásia após ser diagnosticada com câncer no pulmão. A cantora tomou essa decisão ao se lembrar de ter acompanhado a mãe na rádio e quimioterapia.

Rita Lee anuncia lançamento de nova autobiografia. (Foto: Reprodução / Instagram)

Ver o sofrimento da mãe, Romilda Jones, lutando contra o câncer fez Rita olhar de uma forma diferente para o tratamento da doença.

Na autobiografia, lançada na última segunda-feira (22), ela conta que queria morrer com dignidade, por isso considerou fazer eutanásia. Mas com o apoio do marido, Roberto de Carvalho, e dos filhos Beto Lee, 46 anos, João Lee, 44, e Antonio Lee, 42, mudou de ideia.

“Disse a ele [médico] que minha vida tinha sido maravilhosa e, que por mim tomava o ‘chazinho da meia-noite’ para ir desta para melhor. Que me deixassem fazer uma passagem digna, sem dor, rápida e consciente. Queria estar atenta para logo recomeçar meu caminho em outra dimensão. Sou totalmente favorável à eutanásia. Morrer com dignidade é preciso”, contou Rita.

A rainha do rock Rita Lee morreu, aos 75 anos, na noite da segunda-feira, 08 de maio de 2023. Ela lutava contra um câncer de pulmão desde 2021. Rita morreu em casa, ao lado da família. O velório e o enterro aconteceram na quarta-feira, 10 de maio de 2023, em São Paulo.

Em fevereiro deste ano, Rita Lee já tinha sido hospitalizada em estado “extremamente delicado”; porém, se recuperou e voltou para casa uma semana depois. Em abril de 2022, a família anunciou que o câncer de Rita Lee estava em remissão e que a roqueira estava curada. Desde então, o tumor não tinha apresentado sinais de retorno.

Anúncio