Terry Jones, do Monty Python, morre aos 77 anos

Em 2016, o humorista foi diagnosticado com demência frontotemporal, um distúrbio neurológico responsável por 10% dos casos de demência

São Paulo – Terry Jones, um dos integrantes do grupo de comédia britânico Monty Python, morreu aos 77 anos, anunciou a agência PA Media, nesta quarta-feira (22). Nascido no País de Gales, Jones também foi diretor de cinema e historiador. Ele sofria de uma rara forma de demência.

De acordo com o agente de Jones, a família disse que o ator morreu “após uma longa, extrema mas sempre bem humorada batalha”. Jones participou de séries e filmes com a trupe Phyton incluindo ‘Monty Phyton em Busca do Cálice Sagrado’ e ‘A Vida de Brian’. Em 2016, ele foi diagnosticado com demência frontotemporal, um distúrbio neurológico responsável por 10% dos casos de demência.

Ao lado de Eric Idle, John Cleese, Michael Palin, Graham Chapman and Terry Gilliam, Jones formou o Monty Python, cujo humor anárquico revolucionou a comédia britânica. O grupo era formado por seis ingleses (na verdade, um era gaulês, justamente Jones, e outro é um americano infiltrado, Gilliam) que renovaram o humor da TV britânica (e, por extensão, mundial) em 5 de outubro de 1969, quando foi ao ar o primeiro dos 45 episódios da série cômica ‘Monty Python’s Flying Circus’, programa de meia hora de duração com animações e piadas escrachadas que não perdoavam da política à filosofia, do marxismo ao esporte, do chá das 5 à morte.

“Monty Python surge no momento mais louco do século 20, na cidade mais louca do mundo (Londres). Para revolucionar a loucura vigente, os Pythons tinham um ingrediente surpresa: a lucidez”, escreve o humorista Gregório Duvivier no prólogo de ‘Monty Python – Uma Autobiografia Escrita por Monty Python’, lançada no Brasil pela Realejo Livros.

O humorrista Terry Jones (Foto: Robert Marquardt/Getty Images)

Anúncio