HQs barés na Bienal de Curitiba

Estúdio C-4 do Amazonas terá um espaço dedicado exclusivamente a trabalhos produzidos no Estado

Manaus- Depois de participar do Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ) de Belo Horizonte, em junho deste ano, o Estúdio C-4 do Amazonas conseguiu um espaço para levar trabalhos amazonenses à Bienal de Quadrinhos de Curitiba. O evento acontece de 6 a 9 de setembro, no Museu Municipal de Arte (Avenida República Argentina, Portão, Curitiba).

O evento acontece de 6 a 9 de setembro, no Museu Municipal de Arte (Avenida República Argentina, Portão, Curitiba). (Foto: Divulgação)

O estúdio vai ser representado pelos artistas: Evaldo Vasconcelos, Sarah Gabriela Farias e Ademar Viera Jr. Eles levarão a revista-teaser do coletivo, a Jungle Comix Zero, além de trabalhos individuais próprios e de outros artistas do Estado.

O C-4 prepara para lançar, também, a Jungle Comix nº1, com Jucylande Jr (desenhos) e Ademar Vieira (roteiro e cores) na história ‘Keopac’; Israel Gusmão (desenhos), Márcio José e Valdo, com ‘O Tacape de Arawake’; e ‘O Imperador do Nada’, com João Vicente e Jucylande Jr (roteiro), Nilberto Jorge (desenho), Jahn Cardoso (arte final) e Glaucio Silva (cores).

A diversidade de temas e estilos tem se destacado nos trabalhos que os amazonenses apresentam em eventos nacionais. Evaldo Vasconcelos vai levar a revista Echtae, que apresenta o épico de fantasia que trabalha no momento e o primeiro número do Lobo do Forte, trabalho com o cartunista Romahs. Ademar Vieira vai levar ‘Sete Cores da Amazônia’, um trabalho em parceria com o desenhista Tieê Santos, enquanto Sarah Farias vai apresentar uma HQ sobre um bicho-preguiça que mora na periferia e vende artesanato.

Entre os convidados nacionais, os destaques são: Caco Galhardo, cartunista da Folha de S.Paulo, conhecido pelas tiras da personagem ‘Lili a Ex’; Carol Ito, quadrinista e jornalista da Revista Trip; e Gidalti Jr, natural de Belo Horizonte e criado em Belém, cidade que inspira suas histórias como a obra ‘Castanha do Pará’, a primeira HQ a ganhar o Prêmio Jabuti na categoria Quadrinhos.