Ivo Meireles: as faces de um artista popular

Um artista ‘multiverso’ e mestre na arte de se reinventar, em entrevista exclusiva à revista PLUS

Manaus – Músico multifacetado, compositor e ativista cultural, o carioca Ivo Meireles é um irrequieto artista, que vive de suas paixões. Entre elas o Flamengo, a Mangueira e o Boi Garantido. Habitué do Amazonas, onde volta e meia marca presença, Ivo Meireles acaba se emplacar mais uma toada no ‘Boi da Baixa’. Em entrevista exclusiva à revista PLUS, comenta seu lado menos conhecido do público, que se acostumou a vê-lo como sambista, mas, na verdade, Ivo Meireles é muito mais. Acompanhe:

(Foto: Divulgação)

PLUS: Você está há quantos anos na estrada?
Ivo Meireles: Podemos dizer, exatamente, há 34 anos na estrada.

P: Qual seu primeiro grande sucesso?
IM: Foi justamente o que me fez largar tudo e partir pra viver de música.’Caymmi mostra ao mundo o que a Bahia e a Mangueira tem’, samba enredo campeão do carnaval 1986, pela Estação Primeira de Mangueira.

(Foto: Divulgação)

P: O samba lhe deu projeção, mas, existe um Ivo que surpreende pela pegada rock’n’ roll, que tocou, inclusive, em quatro edições do Rock In Rio.
IM: Verdade! Sou um irrequieto musical. Nunca quis me prender a apenas um estilo. Acho que por conta disso tive atropelos em minha carreira. Já fiz disco de Samba, samba-rock, rock and roll, etc. Participei de quatro edições do Rock in Rio (2001/2004 em Lisboa/2011/2013), sempre com performances diferentes. Fiz um DVD com clássicos do pop rock, em ritmo de samba. Tem até ‘Band on the run’, do Sir Paul Mc Cartney.

P: Você tem sucessos na voz de outros artistas, e grande parte do público desconhece como sendo obras suas. Cite algumas.
IM: Tem a versão do ‘Hey Joe’ que o Rappa gravou. Sou parceiro em ‘Essa noite, não’, gravada pelo Lobão, mas isso é um mal da maioria dos compositores brasileiros, que tem suas obras executadas, mas não tem seus nomes divulgados. Uma pena!

(Foto: Divulgação)

P: Como chegou ao Boi de Parintins e quais toadas que emplacou?
IM: Vou à ilha desde 2004.Enquanto estava apenas torcendo, tinha uma vida mais tranquila (risos). Em 2018, entrei numa de compor. ‘Perrechés do Brasil’ foi a primeira toada. É lindo ver sua toada tocando no Bumbódromo, pelo Boi que você escolheu, mas até chegar lá, tem que aguentar as pedradas. Já tive vontade de não aparecer mais em Parintins, acredita? Agora, coloquei minha segunda toada no Boi e o ‘coro tá comendo’ de novo kkkk. Parece que a minha toada é o patinho feio do CD. Essa politicagem toda, não é saudável para o festival! Meus amigos me perguntam o que é que eu tô fazendo aqui. Eles não entendem. As vezes nem eu consigo entender! Mas com idade, vem a maturidade para lidar com essas coisas. Nunca nada foi fácil pra mim, porque seria fácil tentar ser compositor do Garantido?

P: O Ivo Meireles pretende levar o ritmo do boi para o eixo Rio-SP?
IM: Já faço isso! Estou residente no Bar Brahma SP, e, mesmo antes de existir ‘Perrechés do Brasil’, já cantava ‘Vermelho’ por lá!

(Foto: Divulgação)

P: Projetos para 2020?
IM: Vou lançar um disco de despedida com o ‘Funk na Lata’, banda que fundei em meados dos anos 90 lá no morro da Mangueira. Tá repleto de participação especial. Tem Carlinhos Brown, Gilberto Gil, Samuel Rosa, Sandra de Sá, Leandro Lehart. E tentar emplacar ‘Até debaixo d’água’, no Bumbódromo, para delírio dos encarnados e loucura de alguns contrários (gargalhadas).

Colaboração especial: MENCIUS MELO