Leitura digital dos jovens do AM supera a nacional

A média de leitura digital, mais utilizada entre a faixa etária de 14 a 17 anos no Estado, é maior que a nacional

Manaus – Os adeptos às novas tecnologias, na faixa etária entre 14 e 17 anos, somam 11%, contra 10%, que ainda preferem o livro de papel. O favoritismo se reflete também no resultado da utilização de plataformas digitais de leitura para escolas, como a ‘Árvore.’ No ambiente virtual da ‘Árvore’, a média geral de livros lidos é de 4,7 por aluno neste ano de 2020, quase o dobro da média nacional, que de acordo com a última pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, é de 2,6 livros lidos por ano.

Atualmente, a tecnologia educacional é uma aliada bastante relevante na missão de formar novos leitores. O Estado do Amazonas possui uma taxa de 5,3 livros lidos por aluno, maior que a média nacional. Somente no Estado, a plataforma ‘Árvore’ conta com mais de 63 mil alunos em sua base.

(Foto: Arquivo/Agência Brasil)

Na Escola Municipal José Sobreira do Nascimento, que fica em Manaus, a plataforma de leitura digital ‘Árvore’ se tornou um importante incentivo para as aulas durante a quarentena, quando foi realizado um Festival de Leitura no colégio. “A ideia surgiu quando percebemos que as crianças não estavam lendo nessa pandemia e, também, para homenagear a escritora amazonense Ana Peixoto, que faleceu neste ano por conta do coronavírus. Criamos, então, o Festival de Leitura em parceria com a ‘Árvore’. Para ganhar os prêmios, os alunos precisavam ler obrigatoriamente os três livros da escritora” conta Paulo Gravata, professor de História e Coordenador do Telecentro Escolar José Sobreira do Nascimento.

O resultado foi um sucesso e os alunos passaram a ler mais! Uma das estudantes do colégio ficou entre os 200 maiores leitores do Brasil, em um universo de mais de 1,7 milhão de alunos. “Foi muito legal ler os livros da Ana Peixoto, que representam bem nossa vida no interior de Manaus”, conta a aluna Myurlles Mendes de Lima.

Ainda de acordo com a pesquisa Retratos da Leitura, que ouviu mais de oito mil pessoas de 208 diferentes municípios do Brasil, os professores são apontados como principais influenciadores pelo gosto da leitura. Alinhar o trabalho realizado nas salas de aula com a preferência dos alunos pelos meios digitais gera ótimos resultados para o aumento de leitores no País.

Anúncio