Publicação literária amazonense lança primeira edição online

Com autores do Brasil e Europa, ‘Revista Torquato’ busca diálogo entre as artes e os tempos atuais

Manaus – Uma publicação online, de acesso gratuito e com foco em literatura e artes visuais: essa é a Revista Torquato, cuja primeira edição foi lançada nesse início de janeiro. Inspirada em outras revistas brasileiras do gênero, ela tem o diferencial de ser feita 100% em Manaus e carregar o desejo de divulgar especialmente os artistas locais.

A publicação trimestral é organizada pelos escritores e jornalistas Daniel Amorim e Susy Freitas (Foto: Reprodução)

A publicação trimestral é organizada pelos escritores e jornalistas Daniel Amorim e Susy Freitas, que lançaram uma edição experimental em outubro de 2019 e, por conta da boa recepção, levaram o projeto adiante. No primeiro número com chamada aberta para colaboradores, 22 autores foram selecionados, sendo quatro amazonenses.

De norte a sul (e além-mar)

O interesse dos artistas em enviar trabalhos para a Revista Torquato surpreendeu os editores. “São 4 autores em prosa e 18 em poesia na edição 1. Destes, temos participantes de vários estados, como Amazonas, Ceará, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, além de Portugal e Inglaterra”, explica Amorim, contando que o site da revista recebe ainda visitas de países diversos como Estados Unidos, Irlanda, Moçambique e Alemanha.

A parte visual da Revista Torquato também recebe atenção dos editores. Enquanto que a edição zero apresenta fotografias do cineasta amazonense Rafael Ramos, o número atual conta com imagens do fotógrafo Robert Coelho e colagens de Mayara Jansen (Sakiko). Juntam-se a estes os escritos de Aldo Quagliotti, Álvaro Zeini, Ana C. Moura, Ana Freitas Reis, Antônio LaCarne, Carlos Eduardo Marcos Bonfá, Casé Lontra Marques, Constança Guimarães, Flavia Quintanilha, Igor Moroski, Jefferson Dias, Juan Pablo Gomes, Luiz Gustavo Cunha, Marcus Groza, Marina Rima, Max Lima, Rafael Cesar, Shelly Bhoil, Suammy Saiury, Tatiana Eskenazi, Thamires Andrade e Virna Teixeira.

A proposta de costurar diálogos entre artistas iniciantes e experientes é outra tônica da publicação. “Ao mesmo tempo em que contamos com autores publicados como Virna Teixeira ou Antônio LaCarne, há também o mesmo cuidado em introduzir textos como o jovem contista manauara Luiz Gustavo Cunha, por exemplo”, complementa Freitas, que também destaca a linha editorial combativa da revista: “Um dos critérios de seleção das obras, para além da qualidade, é o debate que ela traz sobre os tempos em que vivemos, no qual as artes e o trabalho intelectual são atacados e postos como um inimigo da sociedade”.

No primeiro número com chamada aberta para colaboradores, 22 autores foram selecionados, sendo quatro amazonenses (Foto: Reprodução)

Anúncio