Mestre-sala e porta-bandeira da Mangueira ministram workshop em Manaus

Matheus Olivério e Squel Jorgea estarão na quadra da escola de samba Vitória Régia nos próximos dias 25 e 26

Manaus – O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da Estação Primeira de Mangueira, Matheus Olivério e Squel Jorgea desembarcam em Manaus nos próximos dias 25 e 26 (sexta-feira e sábado) para ministrar um workshop sobre suas funções na avenida do samba. O objetivo é explicar as técnicas para o aperfeiçoamento das apresentações de mestres-salas e porta-bandeiras de Manaus.

O workshop é aberto a qualquer tipo de público que tenha interesse em aprender um pouco mais sobre a arte emblemática de um desfile de escola de samba, no caso, sobre o casal que tem a responsabilidade de conduzir, ao longo do desfile, a bandeira do grêmio recreativo.

A porta-bandeira Squel Jorgea e o mestre-sala Matheus Olivério (Foto: Divulgação)

O workshop será ministrado na quadra da escola de samba Vitória Régia (Rua Emílio Moreira, s/nº, Praça 14, Centro), das 14h às 17h. Há opções de inscrição individual (R$ 150) e para casal (R$ 250), com possibilidade de parcelamento em até duas vezes. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas por meio do WhatsApp (92) 99193-5257.

Com o auxílio da coreógrafa Ana Paula Lessa, Matheus Olivério e Squel Jorgea vêm conquistando nota máxima dos jurados desde 2017, na condução do pavilhão verde e rosa da Estação Primeira de Mangueira.

No workshop, eles ensinam as técnicas específicas para o desfile por meio de palestras, vídeos e aulas práticas. No ano passado, a abordagem foi sobre a contagem rítmica e, este ano, será sobre a interpretação. Também faz parte das aulas a história do mestre-sala e da porta bandeira, fantasias, importância da alimentação, postura e etiqueta, aquecimento, técnica de apresentação básica no desfile, obrigatoriedade para o desfile e também as técnicas do giros e meio giros, um dos itens mais importantes da evolução do quesito.

Em família

O casal nota 10 da Estação Primeira de Mangueira é formado por membros da mesma família e estão juntos desde 2016. Matheus Olivério começou a dançar aos seis anos e desfilou por muito tempo na escola mirim Mangueira do Amanhã, onde permaneceu até os 14 anos, quando entrou na ala de passistas da comunidade.

Ele já recebeu prêmios de melhor passista, ainda adolescente, e, aos 18 anos, em 2006, começou a carreira como mestre-sala. Ficou 10 anos como segundo e terceiro mestre-sala da Mangueira até que, em 2017, após a saída de Raphael Rodrigues, mestre-sala campeão com a Mangueira em 2016, Matheus Olivério assumiu o cargo para bailar ao lado da sobrinha Squel, que permaneceu na escola após a conquista.

A ligação de Squel Jorgea com o Carnaval vem de berço. Sua mãe desfilou na Estação Primeira de Mangueira. e seu pai, na Acadêmicos do Grande Rio. Ela é neta de Xangô da Mangueira, histórico sambista do Carnaval carioca.

Ainda pequena, Squel frequentava com o pai a quadra da Grande Rio, escola de Duque de Caxias. Começou a desfilar na escola aos nove anos, primeiro como baianinha e depois como passista e porta-bandeira mirim. Em 1999 ganhou um concurso para segunda porta-bandeira da escola e, em 2002, aos 18 anos, assumiu o primeiro posto.

Outras informações sobre o workshop pelos telefones (92) 99193-5257 e 99107-6658 ou pelas redes sociais @workshopmatheusesquel.