A dualidade rapper amazonense Victor Xamã

No disco ‘Verde Esmeralda, Cinza Granito’, lançado no YouTube, rapper amazonense faz crítica socioambiental e passeia pela própria personalidade

Manaus – Aos 12 anos de idade, Victor Xamã encontrou na escrita uma forma de expor as suas ideias sobre o mundo. Hoje, uma década depois, o rapper amazonense começa a colher os frutos daquilo que, antes, podia muito bem ser confundido como apenas um hobby. No último dia 16, o músico lançou, no The Clinic Bar (Centro de Manaus), o segundo disco da carreira, ‘Verde Esmeralda, Cinza Granito’. O compilado de 12 faixas inéditas já está disponível no YouTube.

Diferentemente do álbum ‘Janela’ (2015) — o primeiro assinado por Victor e gravado na casa de um amigo, Fernando Vários —, o novo CD foi produzido em um estúdio profissional, o Direct Studio AM. “O processo de construção de ‘Verde Esmeralda, Cinza Granito’ durou cerca de um ano e meio. Todas as músicas foram minunciosamente selecionadas para que ficasse bem perceptível a conversa do tema com as batidas e letras”, destacou o músico, em entrevista ao PLUS.

De acordo com Victor, o disco é uma reflexão sobre a invasão da cidade à floresta, “do concreto invadindo a mata”. “Além deste assunto, o álbum é, também, uma análise da minha personalidade: ora calma, ora caótica”, frisou o rapper. “As faixas do CD conversam com esses temas e transitam nessa dualidade, essencial para que possamos viver nesse mundo. Precisamos ser ‘dual’”, acrescentou.

Projetos
Com o lançamento de ‘Verde Esmeralda, Cinza Granito’, Victor Xamã se prepara para dar continuidade a outros projetos. Um deles é o single ‘Ponta Negra’, que, inicialmente, integrava a tracklist do novo disco. “Vou lançá-la com um clipe. Ainda estou vendo o roteiro e outras questões”, completou o rapper. “A faixa fala sobre um amor perdido. É uma reflexão que tive enquanto caminhava pela orla (da Ponta Negra)”, explicou.

Além dela, o amazonense espera lançar outras músicas, avulsas, ao longo do ano. “Vou focar, ainda, na produção dos videoclipes (das canções) de ‘Verde Esmeralda, Cinza Granito’, em montar um show autoral e em dar início ao meu terceiro álbum, que deverá sair em algum momento de 2018”, revelou.

Anúncio