Cotidiano na trilha da cantora Mallu Magalhães

Em entrevista ao PLUS, cantora revelou que a relação com a família, dramas pessoais e, até mesmo a cidade portuguesa onde, atualmente, reside, serviram de inspiração para novo disco

Karla Mendes / [email protected]

A cantora oriunda de São Paulo começou sua carreira, em 2008 (Foto: Reprodução/Música Pavê)

Manaus – Com um repertório tropical e brasileiro, a cantora e compositora Mallu Magalhães apresenta seu quarto álbum, ‘Vem’, com 12 faixas disponibilizadas nas principais plataformas digitais. No disco, lançado no último dia 9 de junho, pela Sony Music, Mallu fala de assuntos cotidianos, que serviram de inspiração para a composição das músicas, como a relação com a família, dramas pessoais e a cidade onde mora, atualmente, em Portugal. A produção ficou por conta de Marcelo Camelo, marido de Mallu, junto com os músicos Kassin, Dadi, Davi Moraes, Mauricio Takara e Rodrigo Amarante.

“Os assuntos deste álbum são diferentes dos outros. Eu passei por experiências que, naturalmente, me mudaram e deixaram suas cicatrizes. Fazendo uma reflexão entre o (álbum) ‘Pitanga’ e este, é sobre a natureza, fala do mundo e é realmente do mundo”, explica Mallu.

A cantora passou, recentemente, por polêmicas envolvendo acusações de racismo, devido ao videoclipe ‘Você Não Presta’, no qual bailarinos negros aparecem atrás de grades, sem camisas e sujos de óleo. Sobre este assunto, Mallu ressalta que a polêmica abriu espaço para o debate sobre o racismo. “Além de surpresa, eu fiquei triste porque foge totalmente da minha intenção. Foi muito surpreendente pra mim que ele tenha sido interpretado dessa maneira totalmente contrária por algumas pessoas, mas acho que esse tipo de diálogo, em uma questão muito sensível, foi importante e fez o fato crescer como questão social”, explica.

Trajetória

A cantora paulistana começou a fazer sucesso em 2008, quando publicou um vídeo que viralizou e tornou Mallu uma representante do folk. No mesmo ano, ela aproveitou o sucesso para lançar o primeiro álbum, homônimo. Ao longo dos anos, a artista brasileira inovou no repertório, passando por folk, samba e MPB. “Eu acho muito saudável a troca de estilos que eu tive ao longo da carreira. Eu posso transitar em novas experiências e novos estilos, novos gêneros”, ressalta Mallu.

De acordo com a artista, a rotina e a vida familiar foram um bom artifício para compor as músicas de ‘Vem’. “Geralmente, as coisas da rotina me servem de inspiração, então eu usei desde coisas do dia a dia mesmo, até questões maiores como sonhos, frustações, decepções e, geralmente, é isso que serve de material pra mim. Eu vejo muita a rua também, pra mim é muito inspirador, os outros, ir para a rua, olhar a vida. Olhar os outros serve de espelho”, completa.

Na agenda de Mallu ainda não estão marcadas apresentações para Manaus, mas a cantora, que já esteve na cidade, faz elogios aos manauaras. “Os manauaras são muito calorosos e intensos, eu já estive em Manaus e adorei a cidade. É claro que eu pretendo voltar outras vezes, isso depende muito da minha turnê”, conclui.

Anúncio