Oscar pode ser adiado devido à pandemia, diz revista americana

A grande noite da indústria cinematográfica está marcada para o dia 28 de fevereiro de 2021

São Paulo – A cerimônia do Oscar do ano que vem pode ser adiada devido às interrupções em Hollywood provocadas pela pandemia do novo coronavírus, reportou a revista americana ‘Variety’, nesta terça-feira (19). A grande noite da indústria cinematográfica está marcada para o dia 28 de fevereiro de 2021. Mas, com os cinemas fechados, os sucessos de bilheteria adiados e as produções interrompidas, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas foi obrigada a fazer mudanças significativas nas regras.

Uma das várias fontes anônimas disse à ‘Variety’ que é “provável” que a cerimônia seja adiada. Não houve, no entanto, nenhuma proposta formal ou discussão detalhada sobre a mudança ou possíveis novas datas, informou a reportagem. A Academia não respondeu de imediato ao pedido de comentários feito por agências de notícias.

No mês passado, a Academia – considerada a principal autoridade da indústria cinematográfica em Hollywood – facilitou as regras de elegibilidade, permitindo que filmes não exibidos nas telonas este ano disputem o Oscar. Na ocasião, a entidade também alertou que “ajustes adicionais às regras da Academia, requisitos de elegibilidade e programação poderiam ser necessários”.

“Como anunciado anteriormente, a cerimônia do 93º Oscar está programada para ser transmitida no domingo, 28 de fevereiro de 2021, pela ABC. Quaisquer informações atualizadas sobre a programação serão divulgadas posteriormente”, afirmou o comunicado no mês passado.

Atualmente, os filmes devem ser lançados até 31 de dezembro para serem considerados no Oscar do ano seguinte, que geralmente acontece em fevereiro ou março. Não ficou claro qual o impacto, se houver, de um atraso na cerimônia sobre as regras de elegibilidade. Outras premiações ainda não anunciaram atrasos em suas cerimônias, embora muitas também tenham facilitado as regras de elegibilidade.

No mês passado, a Academia facilitou as regras de elegibilidade, permitindo que filmes não exibidos nas telonas este ano disputem o Oscar (Foto: Divulgação)