Testes mostram eficácia em novo arma contra envelhecimento da pele

O projeto foi desenvolvido pelo farmacêutico Marlus Chorilli.

São Paulo – A luta incansável contra a aparência cansada da pele pode ganhar um novo aliado. A Faculdade de Ciências Farmacêuticas, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), apresentou uma nova formulação baseada em pesquisas em nanotecnologia para combater o envelhecimento cutâneo. Os primeiros testes em pessoas mostrou-se eficaz no combate às rugas, sem causar irritação.

O pesquisador desenvolveu uma nova formulação para transportar o palmitato de retinol, substância muito empregada nos cremes anti-idade convencionais. De acordo com Chorilli, a nanotecnologia foi empregada para melhorar a estabilidade e ação da formulação, tornando o retinol mais eficaz.

— O inovador é a possibilidade de obtenção de cristais líquidos com silicones, menos agressivos que os tensoativos convencionais. A formulação penetra nas camadas mais internas da epiderme e controla a velocidade do princípio ativo que é liberado — diz o pesquisador.

Os estudos do farmacêutico começaram há três anos. Na última fase, 32 voluntárias, com idade entre 30 e 45 anos, utilizaram um creme teste para avaliar a eficácia da fórmula. As voluntárias aplicaram o creme por 30 dias na área ao redor dos olhos. No fim do período, o especialista constatou uma diminuição no tamanho e profundidade das rugas na região, e percebeu uma melhoria na comparação com a área que não recebeu o cosmético.

O próximo passo, segundo Chorilli, é incorporar o palmitato de retinol e outras vitaminas nos produtos anti-idade. O pesquisador garante que a etapa para desenvolver o cosmético é “relativamente simples”, e a descoberta poderia ser empregada em breve no mercado. O pesquisador não cita valores, mas garante que o produto é economicamente viável.