Independência e liberdade motivam mulheres a viajar

Estudo da British Airways foi feito com mulheres do Brasil e de outros sete países do mundo. O tempo médio das experiências individuais das mulheres é de uma semana e, globalmente, mais de 50% delas escolheram uma viagem rápida ao exterior

Manaus – Uma percepção da tripulação sobre o aumento do número de passageiras viajando sozinhas foi o gatilho para que a empresa aérea British Airways produzisse um estudo global sobre viagens independentes, para entender o perfil de quem faz esse tipo de viagem, o motivo desta tendência em todo o mundo e para descobrir as rotas mais procuradas para quem quer ficar na própria companhia por alguns dias.

Na escolha dos destinos, 67% das mulheres que viajam sozinhas em todo o mundo optam por explorar as maravilhas de seu próprio continente. (Foto: Pixabay)

O estudo, feito com mulheres no Reino Unido, Estados Unidos, França, Índia, Alemanha, Itália, Brasil e China, aponta que mais de 50% das brasileiras já viajaram sozinhas, mais de 56% delas pretendem fazer uma viagem sem acompanhantes, no prazo de um a seis meses, e 65% viajaram sozinhas, pela primeira vez, entre 18 e 25 anos.

Segundo o estudo, as mais aventureiras do mundo são as italianas: 63% das mulheres quem vivem no país da bota, entre 18 e 65 anos, já exploraram outro país. As alemãs aparecem em segundo lugar, com 60%. As menos inclinadas a se aventurar no exterior são as americanas, com apenas 16%. No entanto, isso parece mudar. Atualmente, 62% das mulheres que vivem nos Estados Unidos estão planejando uma viagem sozinha nos próximos anos.

O tempo médio das experiências individuais das mulheres é de uma semana e, globalmente, mais de 50% delas escolheram uma viagem rápida ao exterior. No entanto, mais de 30,5 milhões de mulheres nos mercados pesquisados fizeram viagens longas de mais de seis meses, equipadas com nada além de uma mochila e uma mente aberta.

As viajantes alemãs são as que mais fazem viagens sozinhas, com uma em cada cinco tendo feito uma viagem individual mais de dez vezes. Entre as brasileiras, 46% declarou ter viajado sozinha de dois a cinco vezes, mas apenas 2% delas disseram ter viajado mais de dez vezes sem acompanhantes.

A nação mais disposta a realizar viagens de longa distância é a China, com quase 50% das passageiras voando mais de 11 horas para sua última experiência internacional. Esta porcentagem cai para 14% entre as brasileiras que levaram mais de 11 horas para chegar ao destino, em uma jornada individual.

Destino

Na escolha dos destinos, 67% das mulheres que viajam sozinhas em todo o mundo optam por explorar as maravilhas de seu próprio continente. As viajantes da Índia são as que mais circulam entre os continentes: 37% viajam sozinhas para a Europa e 33% exploram os Emirados Árabes Unidos e o Oriente Médio. Mais de 51% das viajantes nos EUA e na China também visitaram a Europa sem acompanhantes. As brasileiras que viajam sozinhas escolhem América Central e América do Sul, com 46%, Estados Unidos e Canadá, com 42% e Europa, com 36%.

Globalmente, Dubai, Emirados Árabes e Oriente Médio são os destinos menos explorados entre as mulheres que viajam sem acompanhantes, com menos de 10% de visitantes. O Sudeste Asiático e Sul da Ásia, Ásia Oriental, África e África do Sul são as regiões com menor índice de preferência das brasileiras como destino para uma viagem sozinha.

O estudo

“Na British Airways, nossos 16 mil incríveis tripulantes operam mais de 800 voos diários para mais de 200 destinos. Eles são especialistas em viagens, eles frequentemente detectam novas tendências e, o mais importante, compreendem as necessidades de nossos clientes. O que continuou voltando para nós através da pesquisa que fizemos e da nossa equipe foi o aumento de tantas mulheres aventureiras optando por experimentar destinos de longa e curta duração sem acompanhantes”, disse Claire Bentley, diretora da British Airways Holidays.

“Com nossa extensa rede global de rotas e com novos destinos lançados o tempo todo, esperamos que, juntamente com as informações e dicas incluídas em nosso estudo global, possamos capacitar e inspirar viajantes em busca de aventuras individuais a continuar explorando sem limites”, complementa a executiva.

Este estudo também revela as razões pelas quais a tendência de viajar sozinha tem ganhado força. Mais de 60% das brasileiras que participaram da pesquisa afirmam preferir viajar sozinhas pela independência e liberdade para organizar o próprio roteiro, seguida pela possibilidade de conhecer novas pessoas e ter experiências únicas, com 50%.