Videoclipe de cantora amazonense traz reflexo sobre perdas

Projeto é dedicado aos que perderam pessoas importantes durante pandemia e quarentena

Manaus – A cantora amazonense Elisa Maia lançou na última terça-feira (18) o videoclipe da inédita “Luas pra Tantas Faces”. A canção foi composta por Elisa há cerca de três anos e as imagens do videoclipe foram todas captadas em novembro e dezembro do ano passado em sua casa, no bairro Cidade de Deus, local onde passou sua adolescência e início da vida adulta.

(Foto: Divulgação)

A casa foi projetada por ela, que também é formada em Arquitetura e Urbanismo. “Foi um projeto que fiz na época da faculdade e levou cerca de 15 anos pra ficar pronta, é uma casa grande e na época meus pais não tinham dinheiro pra fazer completa, levantaram as paredes e foram fazendo por partes, depois destes 15 anos voltei a morar aqui”, conta a artista.

Foi nesta casa também que Elisa viveu os últimos meses com seu pai, Rosalvo, ou Seu Baiano como era conhecido, que nos últimos anos vinha debilitado por conta de doença cardíaca. Ele participou das filmagens dando suporte à equipe e seu nome é eternizado na arte da filha, na memória simbólica e também através dos créditos na ficha técnica do videoclipe. O videoclipe é dedicado ao pai da cantora e a todos que perderam pessoas importantes nesse período de pandemia e quarentena e vivem um novo dia-a-dia onde a presença física é ressignificada.

A música “Luas pra Tantas Faces” logo de cara, fala sobre libertar-se dos desconfortos instalados já pela manhã e videoclipe acompanha a mensagem exibindo uma Elisa em tons azuis inspirando um banho tomado no início de um dia. Em contraponto, uma implacável cortadora de verduras habita o local, exibindo suas armas, dançando, se deliciando, ritualizando com frutas e café. Para fechar, retratando com alguma fidelidade, o bairro onde vive (Cidade de Deus) num entorno cheio de casas em paredes de tijolo sem rebocos e os limites verdes que levam à maior floresta em área urbana do país (a Reserva Florestal Adolpho Ducke), a 100 metros dali.

Produção Musical

A faixa, disponível em todas as plataformas digitais, marca a estreia da cantora como produtora musical, em parceria com o amazonense Bruno Prestes, e tem as participações especiais da baterista carioca Larissa Conforto, que assina atualmente como Àiyé, e do vocalista/pianista amazonense Ian Fonseca, da banda Supercolisor.

A canção reflete sobre uma certa estranheza com os tempos atuais. Na letra, mesmo que sensorialmente a artista fale sobre ‘tentar escapar de desconfortos já instalados pela manhã’, logo em seguida ela decreta: “ou muda a vibe ou muda a atmosfera”. “Mesmo admitindo angústia, seja nessa mensagem literal ou no clima denso que o registro traz, acredito que expor vulnerabilidade fortalece minha humanidade e aponta caminhos para a redenção. Inclusive, como mulher negra que sou. Quero que esse trabalho seja trilha sonora para quando precisamos pensar em mudanças possíveis ou perceber que uma história ruim também pode ter novas formas – realistas e positivas – de serem vividas e contadas”.

Na estrutura melódica-harmônica, retratos “brincam” com altos e baixos. “Tudo começa com uma sequência simples de acordes menores que vão alcançando novas camadas, reforçando a ideia de que vivermos – em um só dia – inúmeras emoções”.

Somando quase 5 minutos, ‘Luas pra Tantas Faces’ segue um clima anos 90, aliando guitarras pesadas e sujas à vocais com influência R&B, costurados por programações eletrônicas que remontam drum’n’bass e bases de reggae.

Denso, etéreo e transformador, o projeto audiovisual teve direção de Victor Kaleb, fotografia de Robert Coelho e concepção de arte e figurino por Anália Nogueira. Samya Carvalho assina a montagem e Marcelo Rodriguez a correção de cor.

A faixa foi mixada por Rafaela Prestes e masterizada por Fernando Sanches, do Estúdio El Rocha.

Anúncio