Denúncia: delegado do interior do Amazonas usa detentos para revistar população

Grupo Diário de Comunicação recebeu uma denúncia de que presos estariam atuando em abordagens policias

Tapauá – Moradores do município de Tapauá (a 449 quilômetros a sudoeste de Manaus) denunciam suposto abuso de poder do gestor da 64ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP). De acordo com informações repassadas ao Grupo Diário de Comunicação (GDC), presos da unidade estariam ajudando o gestor em abordagens policias.

Fachada 64ªDIP de Tapauá (FOTO: Divulgação/PC-AM)

As mensagens, enviadas por moradores que preferiram não se identificar, relatam que, há alguns dias, o gestor responsável Alan de Andrade, realiza abordagens pelo município acompanhado de detentos. Segundo a denúncia, tudo começou quando um detento identificado  como “Buty” fugiu da unidade prisional segunda-feira (21).

Os moradores chegaram a informar que uma recompensa de R$500 foi oferecida pelo delegado para quem encontrasse o fugitivo. Foram três dias de busca. Durante os dois primeiros dias, as equipes da polícia fizeram buscas por todo o município. Mas no terceiro dia, o delegado estava acompanhado de presos, abordando moradores.

Um relato, feito em uma rede social por uma moradora, conta a situação de uma abordagem, feita no bairro Mutirão, nesta terça-feria (22). A moradora revela que teve o celular apreendido pelo gestor da unidade. O texto também aponta que agressões físicas também aconteceram durante as abordagens.

blank

(Foto: Divulgação)

“Fomos abordados VIOLENTAMENTE pelo DELEGADO da cidade juntamente com os presidiários. Vejam bem, os presidiários estavam revistando os moradores do bairro, que estavam trabalhando no comércio local e todas as pessoas que estavam na frente das casas. Revistaram meu pai (um senhor de 67 anos), e meu esposo que estavam trabalhando. Em momento algum explicaram o que estava acontecendo e cometeram várias infrações como abuso de autoridade, constrangimento, agressão verbal e física”, contou a moradora. No texto, ela diz ainda que teve o celular apreendido pelo gestor da unidade.

De acordo com a equipe policial, por volta das 12h desta quarta-feira (23), “Buty”, que é indígena, foi entregue Fundação Nacional do Índio (Funai).

O GDC entrou em contato com o gestor, por telefone, na segunda-feira, mas ele direcionou para que a reportagem solicitasse informações à assessoria de comunicação da Polícia Civil, que também não respondeu sobre o caso até o fechamento desta reportagem.

Anúncio