Jogo Marcado: presos desviaram R$ 2 milhões em licitações fraudulentas

Novas prisões poderão ser feitas ao longo das investigações

Manaus – A operação  ‘Jogo Marcado’ deflagrada nesta quarta-feira (3), pelo Mistério Público do Estado do Amazonas (MPAM), prendeu três pessoas suspeitas de fraudar licitações envolvendo a Upa José Rodrigues, localizada na Cidade Nova, zona norte da capital. Entre os presos estão a diretora-geral da UPA, a diretora-financeira, além de um empresário. Os valores desviados por meio da fraude, aproximam-se de R$ 2 milhões.

(Foto: Divulgação SES-AM)

De acordo com as investigações, os presos são suspeitos de integrar um grupo que falsificava processos licitatórios a fim de beneficiar seis empresas da família do empresário preso. As investigações iniciaram após grande quantidades de contratos com a empresa chamarem atenção das autoridades.

Segundo o Promotor Edinaldo Medeiros, responsável pela investigação, o MPAM também irá investigar o envolvimento da gestão da UPA José Rodrigues no esquema de fraude.

JOGO MARCADO

A operação tinha como alvo empresas ligadas a membros de uma mesma família, que em conluio com a direção da UPA, praticavam os crimes de corrupção ativa e passiva, fraude em licitação e formação de quadrilha.

Essas empresas prestavam inúmeros serviços, tais como Serviço de assessoria jurídica, de manutenção de ar-condicionado, serviços gerais, assessoria contábil, entre outros. Os valores desviados por meio da fraude, aproximam-se da casa dos 2 milhões de reais.

Fórum cumpridos 3 mandados de prisão temporário na cidade de Manaus, e 1 mandado de busca e apreensão no estado do Paraná, devido a um dos alvos da operação não está no Amazonas.

Novas prisões poderão ser feitas ao longo das investigações. O caso corre em segredo de Justiça.

Anúncio