Plano de resgate de Marcola incluía invasão de presídio com 100 homens armados

Na última quarta-feira a PF prendeu 11 suspeitos de integrarem a facção criminosa com plano de resgatar ‘chefes’

São Paulo – A investigação da Polícia Federal que apontou o objetivo do Primeiro Comando da Capital (PCC) de resgatar Marcos Herbas Camacho, o Marcola, chefe da facção criminosa e condenado a pena de 330 anos de prisão, além de outros cinco líderes da organização, descobriu três estratégias para a fuga.

(Foto: Reprodução Record TV)

Intitulados STF, STJ e Suicida, os planos definidos por Marcola começaram a ser pensados no ano passado e possuíam linhas de tática distintas. O primeiro consistia na invasão do presídio com 100 homens armados e com bombas. O plano STJ tratava sobre o sequestro de autoridades e familiares para negociar a liberação dos presos. Já o plano Suicida indicava uma rebelião na penitenciária.

Para levar o planejamento adiante, Marcola teve a ideia de passar as estratégias em códigos e cifras para os advogados durante as visitas ao presídio.

Segundo revelaram os investigadores, 95% do plano de fuga já estava concluído. A ideia de Camacho era de que a fuga ocorresse o mais rápido possível. No entanto, prestadores de serviço da penitenciária de Brasília relataram mudanças de rotina e possíveis ameaças à Polícia Federal.

Na última quarta-feira (10) a PF prendeu 11 suspeitos de integrarem a facção criminosa com plano de resgatar ‘chefes’ de presídios federais.

Anúncio