Serial Killer odiava mulheres; vítima morta em Manaus tinha câncer e levou 73 facadas

O suspeito matou outras duas mulheres no interior do Amazonas

Manaus – Natan de Melo Furtado, 33, preso nesta segunda-feira (23), suspeito pela morte de três mulheres no Amazonas, é considerado pela Polícia Civil (PC) como um serial killer. Uma de suas vítimas tinha câncer e foi morta com 73 golpes de arma branca. A prisão de Natan aconteceu no município de Iranduba (a 27 quilômetros a sudoeste de Manaus) e na ocasião ele usava um nome falso.

(Foto: Divulgação – Reprodução Ayrton Lopes D24am)

De acordo com o delegado Ricardo Cunha, titular de Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Natan é um perigoso assassino e adotava um padrão com as vítimas.

“Podemos chamá-lo até de serial killer, tendo em vista que ele já está na terceira vítima, mulher. Um padrão adotado por ele era sempre acima dos 40 anos, mulheres solteiras. Ele se aproxima de alguma forma, ganha confiança dessas pessoas, adquire vantagens com essa aproximação e quando alguma coisa desagrada, ele acaba retirando a vida dessas pessoas de forma brutal”, explicou o titular.

A primeira vítima de Natan foi Esmeralda Rocha da Cruz, 51, morta no dia 27 de setembro de 2016 em Boca do Acre. Em 27 de junho de 2021, ele matou Ana Lúcia Barbosa da Silva. Ambas foram mortas com golpes de arma branca e tiveram seus corpos queimados como forma de ocultar o crime.

O titular da DEHS explicou que após os dois primeiros crimes, Natan fugiu para Manaus onde conheceu Leonor Maria Nascimento da Silva, 57. Ele chegou a alugar um quarto que ficava no fundo da casa da vítima e alguns meses depois a matou com 73 golpes de arma branca.

De acordo com a delegada Marília Campelo, adjunta da DEHS, Leonor tinha câncer e estava em tratamento quando foi vítima do serial killer. Além disso, a PC aguarda exames para comprovar se a vítima foi abusada sexualmente antes de ser morta.

“Investigadores conseguem encontrar também, no terreno bem próximo à residência, roupas ensanguentadas, que foi a roupa que ele usou no dia do crime. Então ele matou essa senhora na própria casa dela, tomou um banho e jogou as roupas em uma sacola. Também [encontramos] peças íntimas dessa vítimas, então estamos aguardando a perícia para saber se houve abuso sexual”, explicou a adjunta.

A PC informou que Leonor não tinha relação amorosa com Natan e acredita que a “motivação desse crime é ódio e misoginia, ódios às mulheres”.

“Não tem motivação, não tem outra explicação porque essa mulher era de 57 anos, em tratamento contra um câncer, vulnerável. Ele podia levar o que quisesse da casa dela sem precisa desferir 73 golpes de arma branca contra ela”, disse a delegada.

O corpo de Leonor foi encontrado pela própria filha, uma mulher de 20 anos, no momento em que ela chegava do trabalho e se deparou com mãe morta em casa.

Natan de Melo Furtado, 33, responderá pelo crime de feminicídio e ficará a disposição da Justiça.

Anúncio