Terceiro suspeito de matar ganhador da Mega-Sena é preso

“Gordo” já tinha a prisão temporária decretada pela Justiça e era considerado foragido havia seis dias

São Paulo – A polícia de São Paulo prendeu, nesta sexta-feira (23) o terceiro suspeito de participar do assassinato de Jonas Lucas Alves Dias, ganhador da Mega-Sena morto em Hortolândia, no interior de São Paulo. Roberto Jeferson da Silva, de 38 anos, conhecido como “Gordo” se apresentou à polícia e foi levado à Delegacia de Piracicaba, que investiga o caso. Ele nega participação no crime.

(Foto: Divulgação PC-SP/Reprodução Record TV)

“Gordo” já tinha a prisão temporária decretada pela Justiça e era considerado foragido havia seis dias. Já haviam sido presos Rogério Spínola — outro dos três supostos sequestradores – e uma moradora de rua que seria a “conteira” e teria dado apoio ao grupo. Identificada como Samuel Messias, ela é transexual e usa o nome social Rebeca. Permanece foragido Marcos Vinicyus Sales (que tem o apelido de Vini).

A vítima tinha ganhado R$ 47 milhões na Mega-Sena em 2020 e foi sequestrada na terça-feira (13). Pouco depois, Vini, um dos suspeitos, foi flagrado entrando em uma agência bancária para sacar R$ 2.000 e habilitar o Pix da conta da vítima, o que permitiu a transferência de R$ 18,6 mil. O grupo tentou ainda transferir R$ 3 milhões, mas o banco vetou.

A polícia tem imagens que mostram os suspeitos juntos. Em uma delas, “Gordo” aparece junto com Rebeca no dia 14, já após a morte de Jonas Lucas, em uma agência bancária de Santa Bárbada D’Oeste (SP), onde os suspeitos residiam.

A delegada que investiga o caso, Juliana Ricci, afirmou em entrevista coletiva que os suspeitos do sequestro sabiam que Jonas Lucas havia ganhado na Mega-Sena. “Eles tinham conhecimento da situação privilegiada da vítima. Como tomaram conhecimento, estamos apurando”, afirmou.

Anúncio