‘A Assembleia passou a ser protagonista’, diz David Almeida

O presidente da Assembleia Legislativa deixa o cargo no dia 1º de fevereiro e revela que analisa disputar a Prefeitura de Manaus em 2020, além de convites para várias prefeituras

Manaus – Com o mandato chegando ao fim no dia 1º de fevereiro, o presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado David Almeida (PSB), projeta uma participação ativa, nos próximos dois anos, nos assuntos que interessem os diversos setores da sociedade. À REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC), o parlamentar revelou que analisa disputar a Prefeitura de Manaus, em 2020, mas que também já recebeu convites para disputar o pleito em municípios do interior do Estado.

Deputado David Almeida faz balanço da atuação no parlamento e no Governo do Amazonas. (Foto: Eraldo Lopes/RDC)

Qual o balanço do mandato como deputado e presidente do Legislativo?

Nós fizemos uma transformação na Assembleia, saindo da era analógica para a digital. Estamos com todos os processos, a partir de janeiro, digitalizados, algo inédito para o Poder Legislativo que está autônomo. As grandes discussões, pagamento para servidores e obras aconteceram. Foram 16 meses como presidente empreendendo um ritmo de trabalho grandioso para dar boas notícias ao Estado do Amazonas.

Qual o legado que será deixado?

O comportamento da Assembleia, que passou a ser um poder protagonista. As grandes discussões vieram para o âmbito da Assembleia. Por diversas vezes a Casa foi tomada pelas categorias de servidores e população em geral que acreditaram no Poder Legislativo para discutirmos soluções, como um poder autônomo sem ser opositor. Dando governabilidade e aprovando 85% das proposituras do governo. Porém, se impondo, ampliando debates.

Como foi a experiência de ser governador por quatro meses?

Foi uma experiência que marcou e que considero exitosa e positiva. Foram 144 dias e nós fizemos ações que estavam paradas por anos. Demos a maior promoção da história da Polícia Militar, pagamos o maior abono para os profissionais da educação, colocamos remédios em hospitais. Isso despertou todas as categorias para uma nova realidade. Demos transparência a tudo no governo.

O senhor visa disputar a Prefeitura de Manaus em 2020?

(Risos) Eu estou finalizando meu mandato e nessa eleição dois cargos estarão em disputa, vereador e prefeito. Vou analisar com meu partido qual é a possibilidade de disputar a eleição em qualquer um dos dois cargos, mas isso vamos conversar lá na frente. E a possibilidade está aberta, estou à disposição.

Recebeu convites para disputar a prefeitura de municípios do interior do Amazonas?

Recebi convites, em alguma das maiores cidades eu fui o mais votado, como em Itacoatiara, Manacapuru, Parintins, Humaitá e Iranduba. Tenho uma relação muito próxima com essas cidades e quero dar uma contribuição a elas. Mas as conversas sobre isso só devem iniciar quando começar o ano legislativo.

O senhor nunca escondeu que foi amigo do ex-governador cassado e preso José Melo. Qual sua atual relação com ele?

Ele (Melo) na vida dele e eu na minha. Eu fui amigo da pessoa e não do cargo. Muitas pessoas só são amigas do cargo, mas estamos muito distantes em função das minhas atribuições e das condições que ele se coloca nesse momento.

O que vai fazer enquanto estiver sem mandato?

No primeiro semestre eu planejo me inserir no ramo empresarial. Eu comprava e vendia carro e vou voltar a fazer isso, em uma loja que já estou trabalhando, numa concessão que tenho. Vou também vou voltar a fazer apresentação de rádio. Sou radialista, antes de ser deputado eu tinha um programa. Além disso, vou me envolver muito em estudos. Vou dedicar todas as minhas manhãs para isso. Pela manhã estudo, à tarde trabalho como empresário e à noite o programa de rádio.

Qual será o seu posicionamento político nesse período sem mandato?

Quem ganha governa, quem perde fiscaliza. Eu vou fiscalizar todas as ações de governo federal, estadual e municipal, e dar minha contribuição. Quero fundar um blog e sempre dar opinião. Vou estar muito presente.