ALE aprova fim do recesso dos deputados

Estavam presentes 16 deputados, o que era suficiente para a votação. Os parlamentares devem voltar às atividades normais já nesta quarta-feira(27)

Manaus – O fim do recesso na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE) foi aprovado por unanimidade na manhã desta terça-feira(26) durante uma nova sessão extraordinária (sem remuneração), de forma 100% virtual. Estavam presentes 16 deputados, o que era suficiente para a votação. Os deputados devem voltar às atividades normais já nesta quarta-feira(27).

(Foto: Reprodução)

O fim do recesso foi reforçado pelo deputado Wilker Barreto, explicando que a pandemia não espera ninguém. “Se a gente não apreciar o fim do recesso hoje, tudo isso, só vai ser apreciado daqui oito dias. E eu pergunto, na pandemia dá para esperar oito dias? Se essa casa não acabar hoje com o recesso, vai estar fazendo firula. Nós temos que terminar hoje o recesso”, afirmou.

O debate na Casa Legislativa também serviu para tratar sobre medidas de combate à crise na saúde do Amazonas.

Dentre as 18 pautas estavam o reconhecimento de calamidade pública dos municípios de Itacoatiara (250 quilômetros da capital), Nova Olinda do Norte (126 quilômetros da capital), Carreiro (124 quilômetros da capital) e outras ações para melhorias da saúde.

Em meio aos pedidos, haviam quatro obre o impeachment do governador Wilson Lima. Dois do Advogado Marcos Vicenzo; um feito em conjunto pelos advogados Juan Victor Leonardo Castelo Branco e Mauro de Meneses de Macedo Junior. E por fim, o do advogado Cassius Clay Ferreira de Aguiar, feito na semana passada.

Todos os pedidos estão fundamentados nos crimes de responsabilidade e improbidade pela situação da saúde no estado. Todos pediam o afastamento do governador do cargo.

O Deputado Delegado Péricles cobrou o início do proceso de impeachement. “Devemos iniciar o processo de impeachment e afastamento imediato do governado Wilson Lima, pelos fatos que passa a for em tópicos: Respiradores comprados em loja de vinhos, falta de cilindros de oxigênio no Amazonas, super lotação nos leitos de UTIs e não destinação da verba de governo a área da saúde. Denúncia pelos crimes de responsabilidade combinado com o pedido de impeachment”, resumiu Péricles.

“Estamos assistindo um show de horrores e imoralidades dos nossos governantes. Todos os dias é uma trapalhada. É algo absurdo que assistimos, que reflete diretamente na população. O mais recente é o caso dos furas filas. Olha o que acontece. Não bastou falta de oxigênio, a total falta de planejamento do estado. Várias pessoas furaram fila. Políticos, secretários, empresários, advogados, jovens médicos que se quer estão na ponta, na linha de frente. E quem sai prejudicado nisso são os profissionais da saúde que estão na ponta, que até agora não receberam a sua vacina”, completou o delegado Péricles.

Os deputados devem volta as atividades normais nesta quarta-feira com uma nova sessão 100% online por conta da pandemia do novo coronavírus. O Deputado Wilker Barreto pediu que nesta quarta-feira, a sessão seja invertida. Primeiro a votação das pautas que estão acumuladas, depois a discussão.

“Se essa casa não apreciar o processo de impeachment desse governo, será taxada de pelo povo como cúmplice de assassinato. O que ocorreu no Amazonas foi execução. Tão ou mais forte do que foi o holocausto. As pessoas morrerem sem ar por falta de oxigênio é uma das piores formas que você pode condenar o seu próximo. E esse governador não treme nem a face. “Tocou fogo em Roma” e depois vai ao aeroporto receber oxigênio como se ele estivesse dando uma solução e não é. É o mesmo governador que vai em rede nacional diz estar tudo sobre controle, e é o mesmo governador que omite a morte silenciosa dos nossos irmãos do interior. Cabe a nós senhores deputados. Acabar com esse governo Genocida. Espero que essa casa não vire as costas para a população no pior momento da história”, completou Wilker.

Anúncio