AM esconde quem paga defesa de Wilson

O GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC) encaminhou, ontem, ao governo questionamentos a respeito do valor cobrado pelo advogados para defender os governantes do Amazonas e quem paga

Manaus – O governo do Estado não revelou quem está pagando os advogados de defesa do governador Wilson Lima e do vice-governador Carlos Almeida Filho após questionamentos encaminhados, quinta-feira (23), pelo GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC).

O assunto veio à tona nesta quinta-feira, em reunião da Comissão Especial da Assembleia Legislativa do Estado (ALE) que analisa o pedido de impeachment do governador e do vice.

O GDC apurou que o governador Wilson Lima contratou o advogado Marcus Vinícius Furtado Coelho, de Brasília, para defende-lo na Comissão. Ele é ex-presidente Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil nos anos de 2013 a 2016 e ex-presidente da Comissão Nacional de Estudos Constitucionais do Conselho Federal da OAB nos anos de 2016 a 2019.

Por sua vez, o vice-governador não ficou atrás e contratou o atual vice-presidente nacional da OAB Luiz Viana Queiroz.

A Comissão Especial recebeu ontem a defesa do governador e do vice (Foto: Divulgação / ALE)

Entre as questões encaminhadas ao governo que ficaram sem respostas está uma pergunta questionando o valor cobrado pelo advogados para defender os governantes do Estado.

Nesta quinta-feira, o deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) encaminhou, hoje, requerimento à Comissão Especial que analisa o impeachment do governador Wilson Lima e do vice-governador Carlos Almeida Filho para saber a origem do custeio dos advogados de defesa, considerados profissionais de renome nacional.

“Nós estamos lidando com um processo de impeachment. Não podemos não enxergar o momento que se vive no Amazonas, com a CPI da saúde mostrando escândalos. Se o governador e o vice estão usando suporte financeiro do estado para custear a sua defesa. Eu estou vendo aqui que o vice-governador contratou um escritório jurídico de Brasília, é só o vice-presidente da OAB. Eu tenho certeza que esse escritório não é discípulo da Carla Pollake, ou seja, não faz de graça”, disse.

O deputado fez o requerimento verbal logo após saber que o governador e vice apresentaram defesa prévia no processo que trata do afastamentos dos dois por má gestão dos recursos públicos que teria ocasionado o caos na Saúde do Amazonas.

“Eu quero que o governador e vice informem a essa comissão e a sociedade os referidos contratos e valores de quem está pagando a defesa do escritório de Brasília. O vice-governador recebe um pouco mais que a gente, paga aluguel, tem menino. Ou ele quebrou o porquinho ou é discípulo da Carla Pollake. Eu não acredito, porque escritório jurídico de Brasília não brinca não”, disse Wilker.

A presidente da Comissão e aliada do governo do estado, deputada estadual Alessandra Campelo (MDB) afirmou que consultou a procuradoria e que o requerimento não podia ser apreciado pela comissão, mas que ia enviá-lo a mesa diretora.

Anúncio
Anúncio