Assembleia Legislativa do Estado irá fazer sessão em Tabatinga

O presidente da ALE, deputado Josué Neto, adiantou que o CMA apresentará dados sobre operações de fronteiras em que o Exército atuou nos últimos meses

Manaus – A Assembleia Legislativa do Estado (ALE), em parceria com o Exército Brasileiro, fará uma sessão itinerante no município de Tabatinga (distante 1.107 km de Manaus em linha reta), no próximo dia 29 de novembro, para debater a situação real das fronteiras e das queimadas na Amazônia. Os parlamentares também irão visitar uma base de operações para conhecer as ações realizadas na fronteira do Amazonas com países vizinhos.

Na última semana, o Ministério Público Federal (MPF) requisitou apoio da Polícia Federal para atuar na proteção do Vale do Javari (Foto: Joel Arthus/ALE/Divulgação)

De acordo com o presidente da ALE, deputado Josué Neto, o Comando Militar da Amazônia (CMA) vai apresentar dados sobre o controle das queimadas e demais operações de fronteiras em que o Exército atuou nos últimos meses, e sobre as dificuldades enfrentadas nas ações de combate ao narcotráfico.

“É uma reunião extremamente importante para que nós possamos agir junto ao CMA e, com base nesses dados, adotar medidas que possam fortalecer essas operações e proteger nossa Amazônia do desmatamento, da exploração ilegal da fauna, da flora, dos minerais, e também proteger nossos indígenas e nossa população dos perigos ocasionados pelo narcotráfico e pelas disputas de terras”, afirmou.

A sessão de Tabatinga foi acertada em reunião dos deputados Josué Neto, Fausto Júnior e Delegado Péricles, com o general Augusto Nardi, no último dia 26 de setembro na sede do CMA. O general, que é atual comandante do CMA e mais 17 deputados já confirmaram presença.

A reunião acontecerá em Tabatinga, no auditório Vitória Régia, no 8º Batalhão de Infantaria de Selva (BIS). Os parlamentares também irão até a base do Pelotão Especial de Fronteira – Ipiranga (2º PEF – Ipiranga), localizado às margens do Rio Içá, onde irão vivenciar a realidade das operações e as principais ações dos guerreiros de selva.

Para a sessão foram convidadas autoridades dos municípios de Tabatinga, Atalaia do Norte, Benjamin Constant, São Paulo de Olivença, Amaturá, Santo Antônio do Iça, Tonantis e Jutaí.

Na última semana o Ministério Público Federal (MPF) requisitou apoio da Polícia Federal, Exército Brasileiro, Polícia Militar do Amazonas e Força Nacional de Segurança para atuar na proteção do Vale do Javari, terra indígena localizada em Atalaia do Norte e Guajará. Isso porque uma das quatro bases que protegem o Vale do Javari foi atacada a tiros na madrugada do último dia 3 de novembro.

O Exército Brasileiro tem atuado nas ações de combate às queimadas desde a publicação do decreto do presidente Jair Bolsonaro que autorizou o uso das Forças Armadas nas ações de combate às queimadas no sul do Amazonas, a GLO (Garantia da Lei e da Ordem). O decreto previa o uso das tropas até 24 de outubro.