Atentado contra jornalista Alex Braga segue sem solução

Após oito meses, o atentado contra o jornalista Alex Braga, apresentador do programa AMAZONAS DIÁRIO é destaque em relatório internacional dos EUA sobre violações de direitos

Manaus – Após oito meses, continua sem resposta dos órgãos de Segurança do Amazonas, quem foram os responsáveis pelo atentado contra jornalista Alex Braga, que apresenta o programa AMAZONAS DIÁRIO, do GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC), transmitido pela RECORD NEWS MANAUS. O atentado é destaque em documento do Departamento de Estado dos Estados Unidos sobre violações de direitos fundamentais no Brasil, revela matéria do site Metrópolis.

Nesta quarta-feira (31) a reportagem do GDC voltou a questionar os órgãos de segurança sobre o andamento das investigações, mas não teve resposta até o fechamento desta edição.

Documento americano cita ataques contra profissionais e veículos de imprensa, como o que Alex Braga foi vítima (Foto: Divulgação/GDC)

Responsável por grave denúncias de corrupção envolvendo políticos do Amazonas, Alex Braga foi vítima de atentado em 20 de julho do ano passado. Ao sair da empresa em direção à sua residência, no entanto, o veículo que dirigia foi seguido e sofreu uma forte batida na traseira por um carro de modelo Jeep. Após a colisão, o motorista do Jeep e demais passageiros saíram do veículo e agrediram o apresentador.

O atentado é destaque em documento do Departamento de Estado dos Estados Unidos sobre violações de direitos fundamentais no Brasil, revela matéria do site Metrópolis. O documento americano cita ataques contra profissionais e veículos de imprensa. O presidente dos EUA, Joe Biden, incluiu o nome do presidente Jair Bolsonaro no informe, como autor de ataques à imprensa.

Segundo a publicação, divulgada nesta terça-feira, 30, em Washington, “jornalistas são mortos ou sujeitos a assédio, ataques físicos e ameaças como resultado de suas reportagens”, diz o informe assinado por Antonny Blinken, assinado pelo chefe da diplomacia do presidente norte-americano.

“Como nos anos anteriores, os ataques físicos mais graves foram relatados em relação às reportagens locais, como o caso do apresentador de telejornais Alex Mendes Braga, que em julho (2020) foi forçado a sair da estrada em Manaus, Estado do Amazonas, atacado fisicamente e ameaçado em aparente retaliação por sua recente cobertura de suspeita de fraude em um hospital local”, aponta o informe.

O informe ainda cita outros ataques a profissionais da imprensa, afirma que “A constituição e a lei estabelecem a liberdade de expressão, inclusive para a imprensa, mas o governo [brasileiro] nem sempre respeitou esse direito”.

Repercussão

Na época, a agressão foi repudiada por entidades nacionais como a Associação Nacional de Jornais (ANJ), que lamentou o ocorrido e “aguarda rápida apuração do crime, com a identificação dos autores e mandantes, e seu encaminhamento à Justiça”.

Em matéria a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) cita que, ao chegar a Manaus, Braga passou a andar de carro blindado. Segundo o jornalista, a agressão que sofreu foi um recado: “Tenho medo do próximo passo. Eles já provaram que podem tudo.”

Anúncio