Com Força Nacional no comando, Wilson usa ataques para se ausentar da CPI

Desde a quarta-feira (9), a Força Nacional de Segurança está no comando das ações de combate aos ataques das facções no Amazonas

Manaus – O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), enviou à CNN Brasil, na manhã desta quinta-feira (10), uma justificativa sobre sua ausência na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado. Conforme divulgado pelo canal jornalístico, o governador informou que faltou a convocação porque não poderia se ausentar do Estado por conta dos ataques do crime organizado. A Força Nacional de Segurança está no Amazonas, desde a quarta-feira (9), à frente das ações de combate aos ataques das facções.

Wilson Lima justificou que faltou a convocação porque não poderia se ausentar do Estado por conta dos ataques do crime organizado (Foto: Diego Peres/Secom)

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou Wilson Lima, na noite de quarta-feira (9), a não comparecer à CPI da Covid, no Senado Federal. Conforme a decisão, caso o governador resolvesse ir à Comissão, poderia permanecer em silêncio. Na sessão desta quinta-feira (10), os senadores lamentaram a decisão do STF e questionaram a mesa diretora da CPI da Covid sobre a ausência de Wilson.

Conforme o senador Marcos Rogério (DEM-RO), há duas decisões contraditórias do STF. Na mesma condição de Wilson Lima, o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, não teve assegurada a possibilidade de não prestar depoimento à CPI.

A presidência da Comissão informou que a Advocacia Geral do Senado vai recorrer da decisão do STF.

Força Nacional

Wilson Lima decidiu, antes mesmo da decisão do STF ‘bater o martelo’, não se apresentar na Comissão. No final da manhã de quarta-feira (9), ele estava presente em uma coletiva de imprensa que recepcionou parte da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP), enviada ao Estado após a Secretaria de Segurança Pública (SSP) perder o controle para a ação de facções.

De acordo com a portaria do Ministério da Justiça e Segurança Pública, autorizando o emprego da FNSP e publicado no Diário Oficial da União da última terça-feira (8), “o contingente a ser disponibilizado obedecerá ao planejamento definido pela diretoria da Força Nacional”, deixando a cargo da SSP apenas o apoio logístico do governo amazonense.

Anúncio