CPI do Lixo já foi proposta e aguarda assinaturas de vereadores

Câmara poderá contar com mais uma investigação contra gestão David Almeida

Manaus- O vereador Rodrigo Guedes já colheu três assinaturas para abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara Municipal para investigar o escândalo do lixo na gestão David Almeida. Já o vereador Willian Alemão disse que vai consultar a sua equipe jurídica para também propor uma CPI para investigar o caso sob apuração da Polícia Federal (PF), da Receita Federal e do Ministério Público Federal (MPF).

(Foto: Divulgação/ CMM)

A CPI do Lixo foi proposta por Guedes após a PF e a Receita Federal deflagrarem as operações Entulho e Dente de Marfim, que apuram emissão de notas fiscais frias com sonegação fiscal de mais R$ 100 milhões de tributos federais e a suspeita de pagamentos indevidos a agentes públicos, como o secretário de Limpeza Pública Sabá
Reis e o envolvimento no esquema de outros 16 pessoas entre empresários e servidores.

As investigações foram desdobradas após a 2ª Vara Criminal da Justiça Federal, que trata de crimes contra o sistema financeiro, lavagem de dinheiro e organizações criminosas autorizar a quebra dos sigilos fiscal e telemático dos suspeitos na operação Dente de Marfim, que tramita em segredo de justiça.

De acordo com o vereador Rodrigo Guedes, o processo legislativo da CPI do Lixo está aberto e qualquer vereador que queira poderá assinar o requerimento, ao adiantar que três parlamentares já assinaram a proposta, que precisa da adesão mínima de 14.

“A CPI nos dá possibilidades de investigações que a gente não consegue fazer no Parlamento no dia a dia, como requisitar documentos e até poderes próprios das autoridades judiciais, pois ela tem esse arcabouço instrumental”, destacou o parlamentar.

Já o vereador Willian Alemão anunciou que vai consultar a sua equipe da área jurídica para a possibilidade de propor uma CPI do caso e citou a necessidade de apuração de mais um escândalo envolvendo a gestão municipal, ao citar a troca “relâmpago” da empresa prestadora dos serviços de limpeza pública Mamute pela Murb.

“Essa não é primeira vez que nós temos um escândalo no meio dessa sujeira toda. Onde tem fumaça há fogo e nós tivemos uma troca relâmpago que todo mundo acompanhou. Vários funcionários da empresa Mamute ficaram a ver navios e não receberam nada e teve uma troca no meio da noite por outra empresa por outra, a Murb, que ninguém nunca ouviu falar assumiu”, disse, ao ratificar que vai consultar propor na Câmara uma CPI e tentar colher 14 assinaturas, o número mínimo para a abertura das investigações do caso.

Anúncio