Declarações de Bolsonaro sobre China podem afetar entrega de vacinas, diz Butantan

Presidente insinuou em discurso que o novo coronavírus, causador da Covid-19, pode ter sido criado como parte de uma ‘guerra bacteriológica’

São Paulo – O Instituto Butantan pode atrasar entregas da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 feita em parceria com o laboratório chinês Sinovac, ao Ministério da Saúde por falta de insumo farmacêutico ativo (IFA) importado da China. O presidente da instituição, Dimas Covas, atribuiu o possível atraso à a postura do governo Jair Bolsonaro em relação ao País asiático.

Declarações de Bolsonaro sobre China podem afetar entrega de vacinas, diz Butantan. (Foto: Divulgação/Veja/Abril)

Bolsonaro insinuou em discurso, na quarta-feira (5), que o novo coronavírus, causador da Covid-19, pode ter sido criado pela China como parte de uma “guerra bacteriológica”, nas palavras do presidente. Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse em uma reunião, que ele não sabia que estava sendo gravada, que o coronavírus teria sido criado por chineses.

Em entrevista coletiva para marcar a entrega de uma remessa de um milhão de doses da vacina ao Programa Nacional de Imunização (PNI) do ministério, Covas afirmou que o atraso na chegada do IFA não se deve a problemas na produção da Sinovac, que envia a matéria-prima ao Brasil para o Butantan envasar doses da vacina, mas à demora na autorização de envio pelo governo chinês.

Dimas Covas disse que as declarações recentes contrárias à China vindas de autoridades do governo federal têm dificultado a liberação das remessas de IFA pelo governo chinês.

“Embora a Embaixada da China no Brasil venha dizendo que não há esse tipo de problema, a nossa sensação, de quem está na ponta, é de que existe dificuldade. Uma burocracia que está sendo mais lenta que o habitual e autorizações com volumes cada vez mais reduzidos. Isso obviamente tem impacto, essas declarações têm impacto e nós ficamos à mercê dessa situação”, disse.

“Nós temos que entregar até o dia 14 o restante – que vai totalizar 5 milhões de doses – do IFA de 3 mil litros e, após isso, não temos mais matéria-prima para processar… Pode faltar? Pode faltar, e aí nós temos que debitar isso principalmente ao nosso governo federal, que tem remado contra.”

Apesar das insinuações feitas por Bolsonaro, criticadas por parlamentares como o presidente da CPI da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), e o presidente da Frente Parlamentar Brasil-China, deputado Fausto Pinato (PP-SP), uma investigação da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que a origem mais provável do novo coronavírus foi um mercado em Wuhan, na China, e que o vírus pode ter passado de um morcego para um outro animal que o transmitiu a humanos.

Também presente na entrevista coletiva, realizada na sede do Butantan na zona oeste de São Paulo, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), desafeto de Bolsonaro, cobrou que o recém-nomeado ministro das Relações Exteriores, Carlos França, atue para desfazer o que chamou de “profundo mal-estar” gerado pelas declarações do presidente e para liberar o IFA tanto para o Butantan quanto para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que também usa matéria-prima importada da China no envase da vacina da AstraZeneca.

“Ele é o chanceler. Ele é quem tem que falar com o embaixador da China no Brasil. Ele é quem tem que falar com o embaixador do Brasil em Pequim e tomar providências. Até agora eu não vi, não ouvi e não tive nenhuma informação de medidas tomadas pelo Ministério de Relações Exteriores”, disse Doria.

Novas entregas

O Butantan esperava para a primeira quinzena de maio a chegada de um lote de 6 mil litros de IFA da China, mas Covas disse que a expectativa é que somente 2 mil litros cheguem ao País até o dia 13.

Ele afirmou que na semana que vem o Butantan prevê entregar três milhões de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde e alertou que, uma vez processado o lote de três mil litros, equivalentes a cinco milhões de doses, que chegou em 19 de abril, o Butantan não terá IFA para envasar doses. Com a entrega desta quinta, o Butantan enviou 43,05 milhões de doses da CoronaVac ao PNI.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, a CoronaVac responde atualmente por 75,3% das vacinas contra Covid-19 já aplicadas no Brasil.

Anúncio