Defesa de Milton Ribeiro pede anulação da investigação da PF

A justificativa é de que a gravação, que deu início ao processo, foi obtida de forma ilegal

Brasília – O advogado Daniel Bialski, defesa do ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, pediu anulação do processo que investiga o suposto esquema de tráfico de influência no Ministério da Educação. A justificativa é de que a gravação que deu início ao processo foi obtida de forma ilegal.

O ministro da Educação, Milton Ribeiro

Ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Além disso, o advogado afirma que caso o Supremo Tribunal Federal (STF) anule a gravação, todo o processo não se sustentará e deverá ser anulado.

“Trata-se, assim, de prova ilícita, e, no caso, sendo determinado o seu desentranhamento dos autos, resta impossível a sobrevivência e manutenção do inquérito fatalmente contaminado”, afirma o advogado.

Segundo Bialski, quando foi realizada a gravação, durante uma reunião ministerial, os envolvidos não sabiam que estavam sendo gravados. O advogado ressalta que foi esse o áudio utilizado pela autoridade da Polícia Federal para solicitar as primeiras diligências sobre o caso.

“A arbitrária, parcial e interessada autoridade policial, no curso do inquérito, transcreve trechos da clandestina gravação como ferramenta de motivação de sua investigação e de seus pedidos cautelares”, destaca um trecho do documento.

O caso está sob relatoria da ministra Cármen Lúcia. De acordo com as investigações, Milton Ribeiro chefiava um esquema de tráfico de influência que envolvia pastores no Ministério da Educação.

Anúncio