Delegado Péricles denuncia luxos do governo durante a pandemia

De acordo com levantamento feito pelo parlamentar, os valores incluem viagens de jatinho particular e manutenção de iate, todas firmadas por processos ilícitos

Manaus – O deputado estadual Delegado Péricles denunciou, na manhã desta quinta-feira (4), o que ele chama de uma “rotina de luxo” mantida pelo Governo do Estado, mesmo durante período que o Amazonas enfrenta centenas de mortes decorrentes da Covid-19. De acordo com levantamento feito pelo parlamentar, os valores incluem viagens de jatinho particular e manutenção de iate, todas firmadas por processos ilícitos.

O contrato suspenso este ano por decisão judicial previa valor unitário da hora/voo de R$ 20 mil e mensal de R$ 800mil (Foto: Divulgação)

“Uma análise nos gastos do governo foi suficiente para perceber que o absurdo vai muito além desse contrato que judicialmente foi suspenso. São altos valores, totalmente fora da realidade de um estado que afirma padecer por falta de recursos para assegurar à população estrutura adequada para o combate à covid-19. Para termos noção do descaso com o dinheiro público, por uma simples viagem à Brasília – custos normais de um pouco mais de R$1mil – foram dispendidos, em fatura única, R$291.600,00, em setembro do ano passado, no aluguel de um jatinho particular para o governador”, denunciou.

De acordo com o deputado estadual, entre 2019 e 2020, o valor de R$7,2 milhões foi gasto pelo estado no aluguel de um jato via processos indenizatórios. “O caso que denunciamos aqui, com intervenção do TCE para imediata suspensão, é o contrato pelo qual o governo tentava manter gastos já feitos por esse gestão há muito tempo e ainda de forma ilícita. Isso porque, mesmo após todas as recomendações da CPI da Saúde, o governador tem mantido seus gastos com viagens por processos indenizatórios, sem qualquer preocupação com licitações”, denunciou. O contrato suspenso este ano por decisão judicial previa valor unitário da hora/voo de R$ 20 mil e mensal de R$ 800mil.

Péricles afirma, ainda, que os valores decisivos – caso tivessem sido destinados para a saúde pública – foram acrescidos por gastos com um iate. “Mesmo parado, um iate tem custado ao governo um total de R$ 2.339.999,52. Não tem como não nos revoltarmos com tudo isso. Quanto poderia ter sido aprimorado na estrutura pública de saúde do Amazonas?”, concluiu.