Deputado Pablo acompanha produção de vacinas da Covid-19 pela Fiocruz e Anvisa

Parlamentar defende que parte do primeiro lote de vacinas produzidas no Brasil seja encaminhado com prioridade para o AM

Manaus – Neta semana, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) definiram como será a produção no Brasil da vacina contra o coronavírus desenvolvida pela universidade de Oxford.

A união entre Fiocruz e Anvisa (que são ligadas ao Ministério da Saúde) é acompanhada pelo deputado federal do Amazonas, Delegado Pablo. Ele defende que parte do primeiro lote de vacinas produzidas no Brasil seja encaminhado com prioridade para o Amazonas.

Pablo explica que a reunião entre Fiocruz e Anvisa definiu que os laboratórios da Bio-Manquinhos (ligados à Fiocruz) farão a formulação, envase e rotulagem da vacina.

Parlamentar acompanha produção da vacina e defende que Amazonas receba primeiros lotes do medicamento (Foto: Divulgação)

O trabalho será feito nas instalações do Centro de Processamento Final (CPFI) e também no Pavilhão Rockefeller, destinado à fabricação de vacinas virais. Os dois locais são administrados pela Fiocruz e possuem certificação de segurança emitido pela Organização Mundial da Saúde.

Já o insumo farmacêutico ativo da vacina será produzido nos laboratórios do Centro Henrique Pena, também ligado à Fiocruz. “O insumo farmacêutico ativo é o componente mais importante em qualquer medicamento ou vacina, por isso exige um cuidado especial no processo de manipulação”, explica o deputado.

Pablo ressalta que o Ministério da Saúde está planejando uma campanha de vacinação contra o coronavírus, que será realizada em parceria com as secretarias estaduais e municipais de Saúde.

A previsão é que a vacinação aconteça até o mês de dezembro ou quando as vacinas da universidade de Oxford forem liberadas no Brasil.

Expectativa é que vacina comece a ser distribuída ainda em dezembro deste ano (Foto: Divulgação)

Para garantir que o Amazonas seja incluído na lista de Estados com prioridade em receber a vacinação, Delegado Pablo solicitou que as vacinas sejam encaminhadas ao Estado assim que forem liberadas pela Fiocruz e Anvisa.

“A ideia é mostrar ao Ministério da Saúde que o Amazonas é prioridade no recebimento da vacina”, defende Pablo. “Não podemos ficar numa lista de espera, cuja vacinação só acontecerá em janeiro ou março, quando mais vacinas chegarão ao País”, acrescentou.

Anúncio