Deputado quer suspensão de R$ 15 milhões destinados à Secom

De acordo com Dermilson Chagas não é de hoje que o governo repassa milhões para a Secretaria de Comunicação do Estado. Parlamentar entende que o remanejamento é imoral, pois não traz benefício nenhum para população

Manaus – Na manhã desta quinta-feira (6), o deputado Dermilson chagas entrou com um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) para cancelar os efeitos do Decreto de nº 42.571 do Governo do Amazonas que remaneja R$ 15 milhões do fundo de contingência para a Secretaria de Comunicação Social (Secom).

Dermilson entende que o remanejamento é imoral, pois não traz benefício nenhum para população do Amazonas, que hoje sofre com a falta de equipamentos específicos para realização de exames. “Os hospitais João Lúcio e Platão Araujo, neste exato momento, estão sem tomógrafos. E aí vejo o Estado colocar mais recursos na comunicação. É um absurdo essa falta de prioridade, pois, remanejamento poderia ser usado para comprar esses equipamentos de tomografia e salvar vidas”, disse.

Dermilson é contra o remanejamento de R$ 15 milhões do fundo de contingência para a Secom (Foto: Divulgação/ALE)

De acordo com o parlamentar não é de hoje que o governo repassa milhões para a secretaria de comunicação. No inicio do mês de julho, Dermilson denunciou um aditivo de R$ 40 milhões pagos para três empresas de publicidade produzir materiais de divulgação específicos sobre coronavírus. Sendo que as mesmas já possuem contrato com o Poder executivo que finaliza em novembro deste ano no valor de R$ 68 milhões.

“Não é de hoje essa falta de prioridade por parte do governador. Se tornou rotineiro, cotidiano para o Wilson Lima. Mais R$ 15 milhões para comunicação, e ainda não têm a leitura correta da sua atuação. Na verdade, sabemos apenas de uma: os Fake News contra deputados de oposição. Isso eu sei que a secretaria faz”, ponderou Dermilson

Na condição de deputado, Dermilson protocolou um PDL para sustar o remanejamento “imoral”. “Está na hora de dar um basta nessa irresponsabilidade de um governo corrupto que não prioriza a saúde da população do Amazonas”.

Anúncio