Deputados criticam estudo de Zona Franca no Pará

A reação mais enérgica foi do deputado estadual do Amazonas Serafim Corrêa (PSB), que classificou a proposta para se criar uma Zona Franca na Ilha do Marajó como ‘estupidez’

Manaus – Parlamentares do Amazonas se mostraram preocupados e incrédulos com a informações de que o presidente da República Jair Bolsonaro pediu ao ministro da Economia, Paulo Guedes, estudos para conceder incentivos fiscais para negócios na Ilha de Marajó, no Pará. A declaração foi feita na quarta-feira (4) durante cerimônia no Palácio do Planalto e o presidente chamou a medida como “Zona Franca de Marajó” e ainda completou dizendo ter “certeza que alguma coisa sairá”.

A reação mais enérgica foi do deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) que classificou a proposta como ‘estupidez’.
“É um ato de estupidez, será que eles têm noção da besteira que estão propondo? Tenho reiteradamente alertado aqui na ALE (Assembleia Legislativa do Estado) que alguns deputados federais do Amazonas insistem numa proposta maluca de ampliar os limites da ZFM e já expliquei 200 vezes porque que isso é inviável. E uma das razões é que isso despertaria o interesse de outros Estados que também são pobres e que também querem uma Zona Franca. Eu espero que o bom senso prevaleça e que isso não venha a acontecer, porque se vier a acontecer é melhor pegar a chave da Suframa e entregar para o ministro Paulo Guedes”.

A declaração de Bolsonaro foi dada em evento de lançamento do programa Abrace o Marajó (Foto: Carolina Antunes/PR)

A missão de estudar a criação de uma nova ‘zona franca’, lembra Serafim, caberá ao ministro da Economia, Paulo Guedes, um dos principais opositores da Zona Franca de Manaus.

“Agora estamos vendo o resultado das ações de deputados de outros Estados, que ontem tiveram uma resposta do presidente (Bolsonaro). O governador do Pará é um rapaz muito lúcido, muito esperto, propôs o seguinte: “Presidente, a Ilha de Marajó é pobre, então, vamos fazer uma Zona Franca aqui! Eu retiro o ICMS e o Sr. retira todos os tributos, da mesma forma que a Zona Franca de Manaus”. E o presidente Bolsonaro disse agora que vai atender”, alertou Serafim.

O deputado federal José Ricardo (PT) afirmou ser difícil isso acontecer, porque, segundo ele, o Governo Federal faz uma política anti-incentivos fiscais contra Zona Franca de Manaus (ZFM). “E por que com Marajó seria diferente? O ministro Paulo Guedes falou por diversas vezes que vai rever toda política de incentivos do Brasil, e isso vem afetando muito a ZFM. Por isso, eu não acredito que vão criar esse mesmo modelo econômico lá. No máximo, podem pensar em criar uma área de livre comércio, como existe em várias cidades do Norte, mas uma Zona Franca industrial nos mesmos moldes de Manaus é muito difícil, não acredito”, afirmou.

Por sua vez, o deputado federal Marcelo Ramos disse que não vê nenhuma chance do ministro Paulo Guedes apoiar a criação da nova zona franca no Marajó. “Não vejo nenhuma chance do ministro Paulo Guedes apoiar a criação de uma nova zona franca. Seria completamente contra a política econômica dele. Além do mais, seria muito difícil uma proposta dessa passar na Câmara. Portanto, considero mais uma palavra do presidente pra agradar setores do Pará do que um compromisso efetivo”, avaliou Ramos.

Anúncio